Igreja nos lares?

Existe um movimento crescente de pessoas que deixam as congregações tradicionais para reunirem em suas casas; em grupos organizados ou não. Muitos defendem que, assim como a igreja do primeiro século se reunia em casas, o local correto da reunião da igreja é, obrigatoriamente, a casa dos irmãos. Afinal, o local onde se reune define a Igreja? Leia mais...

Igreja, o Corpo de Cristo

A estrutura das igrejas locais relatadas no Novo Testamento se assemelha muito mais a uma família do que uma organização religiosa. As reuniões eram...

Jesus e a teologia da prosperidade

Somos filhos do Rei, logo devemos ser prósperos? Quem não é está em pecado? O que diria Jesus sobre a teologia da prosperidade?

Jesus na célula

Foi um encontro inusitado. Jesus estava passeando pelas ruas de Brasília, passou pela rodoviária do Plano, aquela multidão, ninguém o reconheceu. Viu um jovem a passos largos, bíblia embaixo do braço, se aproximou:...

Deus e o diabo

Não existe, nunca existiu e nem existirá uma luta épica entre Deus e o diabo. Satanáz sempre soube...

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Um Ano Novo de transformações


quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Nosso desejo de Natal



sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

A expansão do Reino

Só para lembrar alguns aspectos, muitas vezes esquecidos, mas de viltal importância na expansão e manutenção do Reino de Deus:


1- Ame a Deus acima de todas as coisas
AME a Deus, não O use para satisfazer seus interesses pessoais, financeiros, emocionais ou afetivos. Usar Deus é feio, assim como usar as pessoas. Mt.22:36, Mc.12:32-33, Lc.10:27

2- Ame ao próximo como a ti mesmo
Não use também o próximo em seus interesses pessoais. Ame-os e dê ao próximo seu melhor, não seu pior. Mt.22:37, Mc.12:33, Lc.10:27

3- Fale a verdade com seu irmão
A mentira nos faz semelhantes ao Diabo, que foi mentiroso desde o princípio. Se somos filhos de Deus, devemos ser semelhantes Ele. Jo.8:41-44, Ef.4:25, IJo.1:7

4- Não seja avarento nem ame ao dinheiro
O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Melhor é dar do que receber, assim foi Jesus. At.20:35, ITm.6:10

5- Tenha uma vida pura e santa
Veja o sexo oposto como ele é: um irmão ou irmã. Não veja como uma oportunidade de prazer. Seu corpo é o templo do Espirito. ICo.6:13, ICo.5:8, IICo.6:6

6- Ame seus inimigos, fale bem de quem fala mal de você
Se amarmos apenas os amigos nada temos de Deus, todos fazem o mesmo. Sejamos parecidos com nosso Pai. Mt.5:44, Lc.6:35, Rm12:20,

7- Enche-se de gratidão e fale da graça
A boca fala do que tem no coração. Encha-se de esperança, fé, amor e compartilhe isso com seus amigos. Lc.6:43-45, Ef.4:29

8- Seja um com seu irmão
Chore com os que choram, alegre-se com os que se alegram. Se esforcem para ser um sempre. Rm.12:15, AT.4:32, Jo.17:21

9- Trabalhe e use bem seu dinheiro
Faça bem o seu trabalho para ter sustento para você e para abençoar seu irmão. Ef.4:28, ITm.6:18-19, At.4:34

10- Perdoe sempre
Não guarde mágoa, pois você morrerá envenenado. Perdoe todos que fizeram mal contra você. Ef.4:32, Lc.17:4, Mt.6:12

11- Livre-se da ira e da cólera
A ira e a cólera é a manifestação da nossa justiça. Livre-se delas, tenha amor, perdão e domínio próprio. Ef.4:31, Cl3:8

12- Passe pelas lutas com gratidão
Não seja fraco desejando uma vida sossegada, mas passe pelas lutas com o coração grato, pois esse é o exemplo de Jesus. Jo.16:33, IPd.4:13, IICo.1:7, IICo.6:4, Cl1:24, IITm2:3.

13- Seja humilde
Se existe algo de bom em você é porque Deus tem misericórdia de sua vida. Sem Ele você não é nada, mesmo com boas intenções. Mt.18:4, ICo.1:28, Tg.4:6, IPd.5:5

14- Ore sempre, mantenha contato com o Pai
Busque conhecer a vontade de Deus e pare de tentar convencê-lo da sua. Use a oração com esse propósito. ITs.5:17, Ef.6:6, Ef.3:18, Mt.6:10

15- Faça discípulos para Jesus
Tendo em seu coração todas essas coisas pela graça de Jesus, possibilite que outros tenham o mesmo. Mt.28:19-20, IITm.2:2, Mt.10:8

Lembre-se: o Reino de Deus está DENTRO de você.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Jesus no evangelismo

Na estória anterior deixamos Jesus cultuando o Pai em uma roda com pessoas de má índole na Rodoviária do Plano (veja em: http://filhoimperfeito.blogspot.com/2009/09/encontro-inusitado.html). Lá estava Ele, conversando com desocupados, alguns aparentemente bêbados quando chega um jovem com folhetos na mão:

- Boa tarde, posso dizer algumas palavras para vocês? – o rapaz chega tímido, estendendo a mão com um folheto em direção a Jesus.

- Boa tarde. – alguns respondem, enquanto outros começam uma conversa paralela. Jesus pega o folheto e passa para um homem ao seu lado.

- Você poderia deixar alguns desses folhetos conosco? – pergunta Jesus olhando o jovem visivelmente constrangido. – Você está com vergonha?

- Nããããããooo, eu não tenho vergonha da Palavra. Na bíblia diz que aquele que se envergonhar de Jesus diante dos homens, Ele vai se envergonhar dele diante do Pai. Eu não tenho vergonha do evangelho, por isso que saio evangelizando. – A conversa paralela aumenta, mas Jesus e 2 outros se detêm no rapaz, ainda mais constrangido pela pergunta de Jesus.

- Ah... me pareceu que você estava envergonhado. Não digo que do evangelho, mas da tarefa de abordar desconhecidos para entregar folhetos. Tudo bem... – Jesus olha fundo nos olhos do moço que desvia o olhar para o chão.

- De forma alguma senhor... é uma honra proclamar as Boas-Novas! – o rapaz continua de cabeça baixa pensando em como sair da situação constrangedora com aquele estranho.

- Que bom! É sempre gratificante encontrar alguém interessado em falar sobre as Boas-Novas do Reino. Acredito que nem todos aqui estão interessados, mas como pode ver, eu e esses 2 colegas estamos prontos para receber as novidades que você tem. Diga lá, quais as Boas-Novas? – Jesus fecha uma roda com ele, os outros 2 colegas maltrapilhos e o jovem recém chegado.

- Ééééééé, entãoooo... tá no folheto ai. Jesus morreu por todos nós para a gente ir morar com Ele no céu. Entãooooo... ai no folheto tem os detalhes, horários de culto. Se vocês puderem vão lá à igreja. Hoje mesmo tem culto da prosperidade lá. – Jesus estende a mão para receber o folheto, pois o jovem ainda não havia entregado. Nesse momento um dos colegas, até o momento calado se pronuncia.

- Pô irmão, eu sou crente sabe? Eu era da Igreja Pentecostal dos Milagres de Jesus, não tô indo, mas oro em casa, leio a bíblia sabe? Sou crente! Você tem uma ajuda ai pra me dar? To precisando muito de comer... e ai mais tarde eu vou lá para o culto.

- A minha igreja é a Igreja Internacional do Reinado do Pai, essa ai que você disse eu conheço, mas lá na nossa igreja Deus se manifesta MESMO. Se você for lá Deus vai te abençoar e tirar você dessa situação de miséria. – o rapaz se anima com o interesse do maltrapilho.

- Mas e ai, tem uma ajudinha? – ele faz uma cara de dó e coloca a mão sobre a barriga mostrando com os gestos que a fome estava grande.

- Não tenho... – antes de acabar a frase o outro retruca:

- Ué, se não funciona nem para você, eu vou lá fazer o que??? Não tem nem um trocado ai irmão?– o maltrapilho levanta a voz e se aproxima do rapaz. Jesus intervém encostando levemente a mão no peito do homem:

- Calma, fique tranquilo, eu mesmo não tenho onde reclinar minha cabeça... – o rapaz interrompe rapidamente, vendo a oportunidade de “falar sobre o Reino”:

- Então moço você tem que ir lá na igreja. Vai começar uma campanha lá de 7,77 semanas onde todos vão receber a unção de prosperidade nacional. Ai você sai da pindaíba. Paulo mesmo disse na bíblia: “Deus te chamou para ser cabeça e não cauda”!!! – Jesus olha surpreso com essa argumentação e o versículo atribuído a Paulo.

- Paulo disse isso? – olhar de Jesus não deixa o rapaz.

- Ééééé, Paulo da Bíblia, o senhor não conhece ele, mas lá na igreja o apóstolo prega, ora e as coisas acontecem. Esses dias o apóstolo comprou uma casa no Lago Sul sem nenhum dinheiro... Deus DEU PARA ELE! E ainda veio com um New Civic, aleluiasssss.

- Deus deu a ele? - Jesus olha para o céu... – e eu não tenho nem morada certa...

- É que o senhor não tem fé, por isso tá sem casa, mas vamos lá que o apóstolo vai impor as mãos sobre você para decretar a benção. A benção decretada de acordo com a palavra, Deus tem que ouvir, Ele não é homem para mentir, se tá na bíblia Deus tem que obedecer e fazer, é só decretar como está na palavra. Agora tem quer ter fé e cumprir a campanha direitinho. As coisas acontecem moço. Ôôôôôôôô glóóóóóriaassssss!!!

- É moço... – o colega faminto olha para Jesus – o rapaz tá certo. Fui um tempo na igreja e vi um monte de gente prosperar... ficar rico. Todo culto tinha um testemunho de alguém que fez a campanha e foi abençoado. Carro, casa, bens. Eu mesmo fiz a campanha, mas continuei pobre e pior, vendi o barraco lá no Jardim Ingá para semear e não recebi nada. Sou um homem de pouca fé. Não mereço ser crente... minha mulher me deixou depois que vendi o barraco. O pastor arrumou um homem de Deus para ela. Próspero. – os olhos do homem encheram de lágrimas com a lembrança, ainda doída do fracasso na fé, no relacionamento, na vida.

- Qual o seu nome? – Jesus pergunta para o novo colega.

- É Zaqueu, mas todos me chamam de Pará.

- Ééé, tem que ter fé, senão não funciona. – o jovem se emociona com a história do homem. A única explicação é a falta de fé, a culpa não é de Deus, se Deus não abençoou é porque faltou fé. – Vou indo gente, apareçam no culto depois. Pará, tenha fé... Deus vai restituir 7 vezes mais.

A roda inicial tinha dispersado ficando apenas os 2 que ouviram a “pregação do evangelista”. Jesus passou o braço pelos ombros do Pará e perguntou?

- Vocês estão com fome?

- Pô, nem me fale... véi.

Pará não respondeu e ficou cabisbaixo, perdido em pensamentos.

- E ai Pará, fome? – Jesus pergunta apertando o ombro do Pará.

- Tô não... valeu.

Mesmo com a negativa Jesus enfia a mão em na sua bolsa e retira um marmitex, entregando-o ao Pará.

- Que é isso??? – Pará fica surpreso e antes de continuar a frase Jesus retira outra e entrega ao outro faminto.

- Obrigado! – o cara olha super desconfiado para Jesus que tira um terceiro marmitex:

- Vamos comer enquanto está quente!

- De onde você tirou isso? – Pará não acreditava no que via. O marmitex estava quente...

- O Pai sempre dá o que é necessário. – Jesus finaliza tirando 3 jogos de talheres de sua bolsa.

PS.: Não tomem o texto como doutrina bíblica absoluta. Deus não se encaixa em nenhum padrão humano pré-estabelecido e não só pode, como se manifesta em campanhas evangélicas, pois Ele vê o coração e é galardoador dos que O buscam. Valeu pelo toque Jerônimo.

Como colaborador do blog Igrejas Altenativas no Brasil (http://igrejasalternativas.blogspot.com/) acho que o próximo será Jesus na Igreja Alternativa. Esse vai ser comédia.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Aula de botânica e João 15

Fim de ano chegando e muita correria por aqui. Além de meu trabalho apertar bastante estamos com algumas programações que tem me tomado muito tempo. Isso fez com que as atualizações diminuíssem, mas cessar não (ia usar a frase "cessar jamais!!!"que ficaria bem mais forte, mas vai que um dia tenha que cessar.. heheheh)!!!

Dias atrás a Letícia mandou um e-mail para nosso grupo de contatos da congregação. Achei muito legal mesmo a leitura da parábola de Jesus que ela fez. As parábolas fazem um paralelo entre a realidade natural e a realidade eterna. Muitas vezes não entendemos toda a profundidade das parábolas simplesmente por não conhecermos em detalhes as realidades naturais utilizadas. Segue então uma aula de botânica e de crescimento no Senhor:

"Bom... Vou compartilhar algo que fez muito sentido pra mim. Quem sabe edifica mais alguém, né... Vou tentar escrever de maneira que dê pra entender. Vou tentar não explicar errado também xD E... me perdoem se escrever muito :P Quem não quiser ler, não precisa não ^^

Então...

Nesse feriado o cursinho aproveitou pra desatrasar algumas matérias... Aula de manhã e de tarde. Daí numa das aulas de biologia(tiveram 4 horas de aula de biologia Oo) o professor tava falando de botânica. Ele começou a explicar a ação da auxina. A auxina estimula e inibe o crescimento da planta, dependendo da quantidade. Ela fica em quantidade mais concentrada nas "pontas"(meristemas) da planta e, não havendo a poda, ela fica concentrada além do necessário para o crescimento e passa a inibi-lo. Assim a planta, além de não crescer mais, não ramifica tanto, não fica frondosa.

Nessa hora eu comecei a fazer um paralelo com João 15, que Jesus diz que ele é a videira, nós somos os ramos e o Pai e o agricultor que nos poda. A auxina seria algumas coisas que nos fazem crescer por um tempo. Daí, depois daquele tempo, aquelas mesmas coisas, passam a nos impedir de crescer e é hora de deixarmos Deus nos podar. Não sei com vocês, mas comigo, às vezes é difícil de entender quando Deus tira algo que me parecia fazer muito bem. E agora, fez todo o sentido pra mim.

Como se não bastasse isso, quando cheguei em casa e fui reler essa parábola, Deus me fez viajar mais um pouquinho... A planta absorve do solo sais minerais e água e manda pras folhas. Nas folhas, vai ocorrer a fotossíntese, aquela seiva bruta será transformada em seiva elaborada e mandada para toda a planta. E eu parei pra pensar que é assim mesmo... Da videira extraímos o necessário pra viver e dar frutos. Além disso, Deus não nos dá as coisas para guardarmos só pra gente... Ele quer que a gente receba a Luz que Ele nos fornece e faça algo de útil para toda a planta, se não, não adianta nada estarmos lá, só seremos um peso para os outros.

É, pra mim foi um soco na cara! Tava precisando xD

E eu espero que caiam itens sobre isso no vestibular :P uahsuhauh xD

Deus abençoe!

:)" Por Letícia Cortês

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Pedras ou tijolos?

Quando se constrói uma casa hoje em dia, qual o material básico para levantar as paredes? Certamente são os tijolos. Tijolos são feitos em larga escala, obedecendo uma padronização de tamanho que facilita a construção e a torna mais rápida e eficiente. Imagine se você fosse incumbido de construir uma casa de pedras. Inicialmente deveria procurá-las, pois não são fabricadas. Depois de juntá-las seria necessário estudar onde encaixar cada uma, pois são de tamanhos e formatos diferentes e quando melhor encaixadas menos massa entre elas. Seria penoso carregar pedras grandes, trabalhoso usar as pequenas para tapar frestas; é uma obra realmente demorada!!! Muito mais rápido e prático construir com tijolos, não?

Pedro fala um pouco sobre a edificação da igreja comparando com a construção de uma casa. Fica claro a matéria-prima que o Pai usa em sua construção: pedras vivas. Os grandes empreiteiros da fé, na pressa de construir “suas igrejas” aprenderam que se constrói mais rápido com tijolos, em uma cultura onde todos pensam iguais e são treinados a terem o mesmo formato, o mesmo pensamento. Lançam métodos revolucionários de crescimento, transformam pedras em tijolos e rapidamente levantam as paredes e terminam sua obra. Se algum tijolo quebrar não tem problema; existem milhares de outros do mesmo tamanho saindo da fornada é só trocar. E olha que a troca é constante...

Mas o Pai é um Deus de diversidade! Ele fez cada um com uma característica e como pedras vivas a casa de Deus desfruta de uma diversidade santa, amável, respeitosa e principalmente em total submissão ao Pai. Cada pedra tem seu formato, seu talento e edifica todo o Corpo à medida que cresce no conhecimento de Deus e renuncia seu ego, deixando o pecado e se unindo a Cristo e a Igreja. Trabalhar com pedras é mais demorado, machuca as mãos, mas à medida que o próprio Deus, pela atuação de seu Espírito e pela edificação do próprio Corpo as une, então se estabelece a Igreja de Jesus.

Na construção com tijolos, após passar massa e pintar, cada tijolo some, não é mais visível, agora faz parte de uma organizada parede. Não tem mais como expressar o seu sacerdócio único, expressa apenas a idéia de seu construtor. Na construção de pedras cada uma tem o seu local, sua importância e apesar de fazer parte de uma grande e sólida parede continua ali, manifestando seu sacerdócio de forma única. Ao se rasgar o véu, todos fomos feitos sacerdotes do Deus vivo e pedras na construção da igreja de Jesus, sua noiva. Não se deixe enganar pelas aparências, pelas facilidades e pela velocidade; Igreja só de pedras.

"Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo." IPd.2:4

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Competição "santa"

O tempo passa rápido! Estou perto dos 40 anos e lembro-me como se fosse ontem quando tinha 20. Com anos passados é normal acumularmos algumas bagagens: conhecimento, experiências, manias, coisa boas e ruins. Na virada deste ano, 2009 para 2010 completarei a "maioridade cristã". Estarei comemorando 18 anos de adoção, 18 anos que o Pai lá do céu me adotou em Cristo. O tempo decorrido não quer dizer muita coisa, afinal crescer no conhecimento de Deus não é natural, demanda relacionamento, renúncia, crucificação do ego e seus desejos. Muitos passam anos no cristianismo, mas continuam sendo governados pelo seu ego e suas vontades, como um bebê, que pensa que o mundo gira em torno de suas necessidades.

Nesses 18 anos de adoção muita coisa em minha vida mudou, principalmente a forma como enxergo o próximo, seja ele da mesma família celestial ou não. Já estive em uma congregação no início de seus trabalhos e a vi crescer assustadoramente, já estive também em grandes congregações em posição de liderança, já estive em minha casa congregando com alguns gatos pingados, já estive só com minha esposa achando-me um remanescente (quem me dera...), já estive em uma grande estrutura de igrejas nos lares, enfim já vi muita coisa nessa caminhada e o Pai a cada dia tem me constrangido a considerar-me como quem não tem nada, como quem já deu tudo a Ele e a sua Igreja.

Ultimamente tem acontecido algo que há muito não me acontecia: ouvir que estão falando de mim pelas costas. É uma fato interessante, pois como participei de uma grande congregação neo-pentecostal já passei por isso antes. Tanto falei de outros líderes e congregações, sempre achando que onde eu estava era melhor, como ouvia dizer que falavam da gente, se diziam melhores, com "a visão" correta. Agradeço ao Pai que me deu os últimos 11 anos para me desintoxicar desse pecado com a comunhão de irmãos que prezam viver o evangelho e não falar sobre o evangelho. Foi restaurador, encontrei o arrependimento e a mudança de atitude que precisava e hoje meu foco é viver o Reino, ao invés de proclamar grandes discursos, lindos e empolgantes sobre o Reino.

Hoje, me divirto ao ouvir histórias sobre minha pessoa; o juízo que fazem de mim, da minha família e da igreja que se reúne em minha casa. Muitos ignoram conceitos básicos de transparência que Jesus tanto prezava, caem em hipocrisia, fofoca, maledicência e para que? Para se dizerem melhores, mais corretos e mais santos, para conseguirem mais adeptos a seus "planos espirituais". Esquecem que nosso Senhor que irá nos julgar e é para Ele que eu e todos que confessam o Seu nome vivem ou pelo menos deveriam viver. Portanto, para mim é impossível competir com alguém da mesma família celestial. Julgar-me mais santo, mais esclarecido e com uma visão mais clara, seria pura arrogância. Sou um homem extremamente dependente do Pai, se Ele não fizer, nada acontecerá, conheço a minha dependência e insignificância. Se alguém se julga superior eu assino embaixo, mas lembro que você deve fazer o que Jesus ordenou, sirva! Não existe competição, não estou jogando com a minha fé e com a vida das pessoas que congregam comigo.

Em minha caminhada não há e nem haverá marketing, eventos para trazer irmãos de outras congregações, confissões arrogantes de uma nova visão de Reino ou tititi pelas costas para denegrir a imagem de ninguém. Aqueles que me conhecem sabem que aconselho quem me procura a ser fiel à sua liderança e sair de sua congregação apenas com uma palavra clara do dono da Igreja, Jesus. Não há crescimento no Reino quando alguém sai de uma congregação para outra, apenas quando alguém sai da independência para adoção. A dança da cadeira traz apenas crescimento aos ministérios pessoais, alimenta a arrogância dos líderes e a infantilidade dos massificados. A visão que tento seguir é tão velha quanto a Igreja e as suas bases estão escritas em um dos livros mais vendidos do mundo: a Bíblia. Nada novo, nada especial, nenhuma restauração, apenas a tentativa de ser como Jesus e proclamar as boas-novas da adoção de todos quanto crerem.

Portanto, a todos que gastam seu tempo comigo, não se preocupem. Primeiro porque não irei gastar o meu tempo julgando ou falando de ninguém, afinal, justo juiz só tem um. Depois porque nunca me renderei ao desejo de me achar superior; somos servos do mesmo Senhor e iremos sentar à mesa com Ele, ceiarmos juntos todos os lavados pelo sangue, os adotados pela graça do Pai. Que a cada dia nosso Pai fortaleça a vida de todos quanto de coração O seguem em retidão, com as motivações corretas. Quanto aos que usam da fé para impor seus ideais, massificar e granjear tesouros aqui na terra, repito o que o nosso irmão Paulo disse: "Verdade é que também alguns pregam a Cristo por inveja e porfia, mas outros de boa vontade; Uns, na verdade, anunciam a Cristo por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflição às minhas prisões. Mas outros, por amor, sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda. Porque sei que disto me resultará salvação, pela vossa oração e pelo socorro do Espírito de Jesus Cristo" Fp. 1:15-19

Se você não me conhece, não tenha o pensamento de que isso não é para você, permita que o Espírito Santo ministre em seu coração, quem sabe você se encontra lutando não o bom combate, mas o seu próprio combate? Já dizia Thiago: "Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre pelo seu bom trato as suas obras em mansidão de sabedoria. Mas, se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica. Porque onde há inveja e espírito faccioso aí há perturbação e toda a obra perversa." Tg.3:13-16. Para finalizar, quer você me conheça, quer não, se a carapuça serviu, use-a; ela foi feita pelo Pai sob medida!

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Um patamar mais elevado


O que é estar em um patamar mais elevado? Existem muitas formas de se exteriorizar um patamar acima. Algumas são amplamente utilizadas, como palcos e palanques. Quem está em um deles sente-se importante, em evidência e algumas vezes solitário e inseguro. Nas monarquias os tronos são sempre mais elevados, mostrando a superioridade do monarca e a posição de submissão dos súditos. Muitos palestrantes descem do palanque para ganhar a empatia do público, que vendo-o "no mesmo nível" tem um sentimento de proximidade. Alguns governantes também andam no meio do povo, causando estranheza. O pensamento geral é: "como pode ele (pessoa famosa ou poderosa) pode andar assim, em nosso meio? Puxa, como ele é simpático!" Tirando o perigo de um atentado o que o faz diferente ao ponto de estranharmos a proximidade? Não será o patamar onde os enxergamos?

No Reino de Deus existem patamares diferenciados? Se olhando ao redor você encontra irmãos que parecem menores ou maiores aos seus olhos, não estariam em outro patamar? Talvez por experiências vividas, pela graça recebida, por um chamado, dom ou revelação podemos nos sentir em um patamar acima daqueles que não tiveram nossas experiências. Não é raro alguns serem vistos como uma pessoa mais espiritual, mais madura e as vezes infalível! Grupos também demonstram esse comportamento. Recentemente ouvi esta frase: "Vocês não conhecem a igreja fulano de tal? A melhor igreja do Rio de Janeiro". Foi uma piada, entretanto quantos não tem esse entendimento e usam muitas justificativas para defendê-lo? Existem grupos que chegam ao extremo de se acharem os únicos escolhidos!

Estar em um patamar acima pode trazer conseqüências ruins, cito duas principais que são o orgulho e a solidão. Orgulho, pois se estamos acima podemos nos julgar melhores e não servos. Acabamos desejando que os outros nos sirvam e esquecemos de Jesus em Matheus 20:26 dizendo: "entre vocês o maior será aquele que serve". Solidão pois quem está em um patamar acima tem problemas ao relacionar com outros, pois assume uma posição de quem tem muito a ensinar e pouco a aprender. Todo o relacionamento seja individual (entre irmãos), ou coletivo (entre congregações), é via de mão dupla.

Jesus falou muito sobre humildade; não vou citar suas palavras, mas a sua pessoa nas palavras de Paulo: "Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até a morte e morte de cruz." Fp.2:5-8.

De fato Jesus estava em patamares muito superiores ao nosso, e ainda está; Ele É Deus! Se você está degraus acima lembre-se da exortação de Paulo e tenha o mesmo sentimento que houve em Jesus: desça e sirva.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Dízimo na nova aliança


Nessa semana surgiu esse assunto em dois fóruns. Vou colar o que escrevi em ambos:

Creio no seguinte: no AT Deus constituiu seu povo. Ajuntou-os durante a história tendo picos de intimidade e afastamento com ele. No NT Deus ajunta seus filhos utilizando-se de si mesmo em Cristo e pelo Espírito para nos transformar em pessoas compatíveis com Ele. Isso tudo porque Ele quer dar uma noiva a Jesus e só se casam seres da mesma espécie. E no futuro, aliás, na eternidade, desfrutaremos de algo maior do que a filiação que é o casamento, ser UM com Ele, semelhante ao marido e esposa, que são uma só carne.

Então, creio que no relacionamento de povo de Deus existiam algumas obrigações do povo para com o seu Rei e com os integrantes do mesmo povo, bem como hoje, como filhos temos responsabilidades com o Pai e com os irmãos e no futuro como esposa seremos um e ai nem sei como será. Como povo, Deus, o Rei, instituiu leis e tributos e o dízimo é um tributo ao Rei dos Reis e tinha uma utilidade. Como filhos, não pagamos tributos ao Pai, mas participamos com a vida, com tudo que temos para o Pai e para o convívio familiar com os irmãos.

Então não creio que como filho devo pagar tributo ao Rei, mas sim ter convicção e agir sabendo que tudo que eu tenho é do Pai e dos irmãos. Na nova aliança todas as coisa da antiga não passaram, mas foram aperfeiçoadas, pois a nova aliança nos muda por dentro, enquanto a velha mudava somente os hábitos. Por isso Jesus diz que se a nossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus não entraríamos no Reino.

Escrevi em outro tópico sobre vinho e odre, se puder depois leia lá. Isso que disse creio que é um vinho que só pode ser guardado no odre apropriado. Muitas estruturas religiosas acabariam ao falar sobre esse assunto desse jeito. Ao deixar de usar a cobiça, a culpa e o medo para motivar os irmãos a dar dinheiro a arrecadação cai drasticamente. Quando nós começamos a viver igreja no lar em 98, o Iran, nosso pastor na época (hoje falecido) falou sobre isso aos irmãos, e não fazia apelos emocionados para doações. Os irmãos simplesmente pararam de participar com dinheiro. Como não tínhamos contas, estrutura, rádio, TV, etc... isso não era um grande problema, mas a tristeza foi constatar que ninguém queria abençoar e participar da vida dos outros financeiramente. Mas, milagrosamente, ao aumentar a intimidade, a comunhão, todos começaram a ofertar, sem pregação, sem incitarmos cobiça ou culpa, mas simplesmente pelo prazer de fazer parte da família de Deus e com a quantia que tinha no coração (alguns até mais do que 10%). Mas com certeza o montante arrecadado não era o que conseguiríamos com os apelos, mas era suficiente para suprir todas as necessidades da igreja (pessoas).

Uma denominação não sobrevive a isso, pois normalmente a sua estrutura não comporta baixas na arrecadação e os sonhos dos que as lideram é estender replicar a mesma estrutura e isso custa dinheiro, muito dinheiro. Por isso creio que não tem como viver assim indiscriminadamente, seria colocar vinho novo em odre velho e a denominação racharia, perderia o odre, o vinho e pior, pessoas.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

† PELA CRUZ, PELO SANGUE, PELO ESPIRITO ††


Clique na imagem para ampliar


Não militarei em nada além da loucura da cruz. Todas as ideologias que valem a pena serem defendidas tenho como perda para concentrar-me na única militância que é eterna e capaz de transformar o homem, a sociedade e minha vida: a cruz de Cristo. Não irei morrer pelo evangelho; já morri!

"Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo. E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo, " Fp.3:7-8

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Minha oração



Pai, me livra do desejo usar sua igreja para suprir minhas carências
Livra-me Pai de querer ser alguém, de relacionar com base em minhas necessidades
Livra-me da síndrome das multidões, de querer juntas pessoas sem me importar com elas
Pai, livra-me do desejo de manipular massas, de ser o centro das atenções
E acima de tudo Pai, livra-me da arrogância de pensar que eu faço a sua obra.

Que sua vida em mim me inspire a viver como Jesus viveu
Que cada pessoa que cruzar meu caminho eu lembre que é única e amada por ti
Que o seu Espírito faça a obra em mim e através de mim, pois para isso Ele foi enviado
Que cada pessoa que me buscar eu possa levá-la aos teus pés para que tenham vida
E que eu lembre que o teu Reino está dentro de mim e não no que eu faço

Eu sei Pai, que não importa onde estou, nem o que faço, sou teu filho
Então te peço que em cada falha você me tome pela mão
Leve-me de volta ao caminho que seu Filho andou, caminho de obediência e serviço
Ajude-me a entender que até minhas boas obras não servem, se não forem em ti
Eu quero te agradar Pai, sempre e acima de qualquer outro.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Flyer: Amor não é soberbo


Clique na figura para ampliar


O que é Igreja?


"Agora já não há judeu nem grego, nem escravo nem livre, nem homem nem mulher, pois todos são um em Cristo Jesus" Gal.3:28

Assim surgiu a comunidade cristã, sem distinção de classes, hieraquias ou castas, em uma sociedade totalmente hierarquizada, onde ainda era aceita a escravidão. Já imaginaram um escravo orando por um soldado romano? Ou quem sabe esse mesmo escravo compartilhando a palavra ou pastoreando uma congregação? Impossível? Não de acordo com Paulo.

Esse relacionamento entre os que seguiam a doutrina de Jesus foi chamado de koinonia, palavra grega que significa comunhão ou em linguagem secular: ter tudo em comum. De fato a sociedade da época foi impactada pois entre os discípulos "não haviam necessitados" e os que viviam para Cristo tinham "tudo em comum", citando parte do livro Atos dos Apóstolos. Muitos se ajuntaram a igreja apenas pelo testemunho de amor entre os discípulos, cumprindo o que Jesus disse em sua oração: seríamos conhecidos pelo amor que temos um para com o outro. Esse grupo de pessoas que viviam em comunhão foi chamado de ekklesia em grego e em português igreja.

Esse nome não estava ligado a nenhuma religião, nem mesmo a congregação judaica que também se reunia regularmente. Ekklesia era o nome dado a assembléia popular grega onde as pessoas se reuniam para votar e exercer seu papel como cidadão. Da mesma forma a Ekklesia, assembleía dos santos (igreja) era o ajuntamento daqueles que seguiam a Jesus, para exercerem seu papel como cidadão do Reino de Deus. "Perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. Em cada alma havia temor, e muitos prodígios e sinais eram feitos pelos apóstolos. Todos os que criam estavam unidos e tinham tudo em comum." At.2:42-44

O nosso chamado como discípulo é para exercermos nosso papel como cidadão do Reino de Deus. Não somos ouvintes, mas participantes. Paulo também compara a igreja com um corpo. Já imaginou se uma parte de seu corpo decidesse não mais fucionar ou ser apenas um espectador? "Eu sou a perna, mas não quero andar não! Quero fazer parte do corpo, mas não quero ter trabalho." Ou quem sabe: "Cansei de enxergar, quero apenas enfeitar o rosto com minha presença." Bizarro? Nós somos corpo, igreja e vivemos em comunhão.

Que o Espírito Santo inspire a cada discípulo de Jesus espalhado pela terra a exercer seu papel como cidadão do Reino de Deus.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Igreja emergente

Uma amiga que congrega conosco pediu minha opinião sobre igrejas emergentes e 10 motivos para se reunir em uma delas para um trabalho de faculdade. O texto deveria ser curto e confesso que apesar de nos reunirmos em uma igreja nos lares e ser considerados por muitos como uma comunidade emergente, nunca tinha pensado nesse assunto. Descobri que nunca me considerei parte de uma igreja emergente; sempre penso em ser parte da igreja, só e ponto. Sem sobrenomes, rótulos, títulos, expectativas, mas simplesmente viver o evangelho. De toda forma escrevi o seguinte:

"Dar minha opinião sobre a igreja emergente é tão complexo como tentar definir o que é uma igreja emergente. Dentro desse contexto vejo claramente comunidades que tendo em vista alcançar pessoas da geração pós-moderna mudam apenas a forma de se reunirem, agregando em seus cultos elementos atraentes às novas gerações como músicas, grafites, sofás, etc... criando um ambiente informal. Quando a mudança ocorre apenas na maquiagem, ou seja, uma mudança estética, minha opinião é que o resultado é superficial e não agrega ganhos reais ao cristianismo. As pessoas se apegam ao visual e criam novas castas sacerdotais que muitas vezes são mais fracas no conhecimento da Palavra e na graça de Deus do que seus antecessores chamados de tradicionais.

Quando o contexto emergente sai da superficialidade e busca os valores do Reino de Deus, independente do visual, tendo liberdade de aceitar a diversidade de nossa geração sem abrir mão da verdade do evangelho e da prática da Palavra, então minha opinião é que essa igreja está emergindo para ser modelo e iniciar um novo avivamento onde viveremos mais próximos do que viveu Jesus e nossos irmãos no primeiro século. Isso sim é vida de Deus capaz de transformar toda uma geração e emergir para restaurar vidas.

Meus 10 motivos para participar de uma igreja emergente:
1º) Construir odres novos para o novo vinho derramado pelo Senhor
2º) Alcançar pessoas excluídas pelas comunidades tradicionais
3º) Deixar um legado para as próximas gerações
4º) Viver o evangelho com simplicidade
5º) Responder ao chamado de Jesus para fazer discípulos
6º) Criar uma cultura de respeito a diversidade
7º) Formar líderes prontos para os novos desafios
8º) Servir aos excluídos sem proselitismo
9º) Edificar a geração de meus filhos
10º) Responder ao chamado do Espírito"

PS.: Depois de pensar um pouco mais no assunto e tentando esclarecer melhor um dos meus temores: o meu medo é que na busca de fugir da hipocrisia as igrejas ditas emergentes esqueçam que devemos andar como Jesus andou. A hipocrisia finge uma santidade inexistente, permitindo o pecado desde que ele não apareça ou não manche a reputação da instituição. Triste! Mas, tenho visto congregações novas, na busca de fugir dessa hipocrisia, não tratar com amor os pecadores, permitindo que eles continuem nas garras do pecado, negando a graça e a eficácia do evangelho em dar nova vida e capacitar os discípulos a não serem escravos do pecado, mas sim escravos do Senhor.

Com isso muitas comunidades emergentes mostram força e vitalidade no evangelismo, na comunhão por meio de festas e eventos contextualizados, mas não conseguem promover uma mudança de vida naqueles que se agregam e como odeiam a hipocrisia, e isso é bom, tendem a fazer vista grossa ou mesmo relativizar o pecado. Isso é falta de amor e visão da pessoa de Deus [1]. Não existe evangelho sem renúncia, sem cruz, sem perder a vida [2] e sem resistir ao pecado [3] e tanto a hipocrisia como a relativização causam danos irreparáveis. Se me perguntarem qual eu prefiro, hipocrisia ou relativismo, a resposta é nenhum deles, prefiro crer no evangelho como ele é.[4]


[1] "E bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados; e nele não há pecado. Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu." IJo.3:5-6

[2] "E, chamando {a si} a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se {a si} mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me. Porque qualquer que quiser salvar a sua vida {ou alma} perdê-la-á, mas qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará." Mc.8:34-35

[3] "Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia. Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar." ICo.10:12-13

[4] "Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos; Sabendo que, tendo sido Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte não mais tem domínio sobre ele. Pois, quanto a ter morrido, de uma vez morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus. Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor.
Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça." Rm.6:8-14

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Flyer: Amor não é leviano


Clique na figura para ampliar


quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Massificação e cristianismo

Com a tecnologia ganhamos formas de comunicação que antes eram inimagináveis. Lembro que na década de 80 minha mãe aderiu a um plano de expansão da Telesp para uma linha telefônica parcelada em anos. Se alguém me dissesse que teríamos telefones nas cinturas e bolsas eu nunca acreditaria. Para qualquer informação temos disponível a internet, com seu guru, o Google, que nos traz em instantes respostas "fast-food" a nossas dúvidas; sem esforço, sem exercitar os neurônios.

O ganho em comunicação facilitou outro fenômeno: a massificação. A mídia aponta a moda, o comportamento, o que aceitaremos como normal na sociedade, qual o próximo presente de nossos filhos, nossos próximos governantes. Como a igreja é formada de homens, logo a massificação foi adotada como forma de "salvar a muitos". Hoje existem métodos infalíveis para ganhar almas, onde apostilas, carnês, encontros, shows e etc., colocam o Espírito Santo como expectador, mas convencem a muitos que ser cristão está na moda. O efeito colateral é sentido quando os ditos cristãos expõem a fé publicamente com atitudes reprováveis até mesmos para os que não conhecem a Deus.

A evangelização massificada que mostra como é prazeroso ser "crente", que Deus está agora a "nosso serviço" para nos abençoar, não irá trazer ninguém a Cristo. O máximo será um templo cheio de pessoas prostradas aos prazeres do mundo, tentando usar Deus para sua satisfação pessoal. Seguir Jesus nunca deixará de ser a morte do homem para o pecado e o ego; morte de cruz, e a sua completa rendição à Deus.

"Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me. Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará."

Flyer: Amor não é invejoso


Clique na figura para ampliar



terça-feira, 13 de outubro de 2009

Se fosse hoje: Lc.18:9-14

Mais um da série: Se fosse hoje!

Sabemos que a bíblia, mesmo sendo um conjunto de livros antigos, tem um conteúdo que permanece por gerações. Histórias contadas a milhares de anos, em uma cultura diferente da nossa podem mudar vidas, pois tratam de verdades universais e eternas. Mas, e se os escritores escrevessem hoje, levando em conta nossa realidade e cultura, como seriam essas histórias?

Aproximadamente 1974 anos atrás Jesus contou essa estória:
"E disse também esta parábola a uns que confiavam em si mesmos, crendo que eram justos, e desprezavam os outros: Dois homens subiram ao templo, para orar; um, fariseu, e o outro, publicano. O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira: O Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo. O publicano, porém, estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: O Deus, tem misericórdia de mim, pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado."

Se fosse hoje seria:

Jesus contou essa estória a algumas pessoas que confiavam em si mesmas, crendo que eram justas e por isso desprezavam as outras: Dois homens foram ao monte orar, um pastor e um travesti. O pastor, estando em pé, orava desta maneira: O Deus, te agradeço porque não sou pecador como os outros homens. Sou chamado para pastorear o rebanho, prego a bíblia, recolho os dízimos e cuido do templo. Entretanto o travesti ajoelhado não se achava digno de levantar os olhos aos céus e dizia: Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador! Jesus então disse que o travesti voltou para sua casa perdoado e justificado pelo Pai, enquanto o pastor voltou com seus pecados, porque aquele que se exalta será humilhado, mas o que se humilha será exaltado.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Flyer: Amor é bondoso


Clique na figura para ampliar


O amor

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos; Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.

Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.

Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.

Trecho da carta de Paulo de Tarso aos Corintios (I Co.13:1-13)

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Flyer: Amor é sofredor


Clique na figura para ampliar

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Deus existe? Então prove!

Já participei de uma comunidade ateísta no Orkut. Mesmo sendo cristão convicto ganhei o status de moderador após participar de uma pequena competição de conhecimento científico e teológico. Quando participava ativamente a frase que mais ouvia dos meus amigos ateísta era: “Deus existe? Então prove! O ônus da prova é incumbido àquele que afirma.” Minha resposta não poderia ser outra: “Aqueles que afirmam que Deus não existe podem provar? Afinal, quando se afirma deve-se apresentar a prova da afirmação.” Ninguém nunca provou nada, mas nos divertimos um bocado.

Fato é que Deus não quer provar a sua existência. Se Ele assim desejasse iria aparecer ao mesmo tempo a todos no planeta e dizer com voz de trovão: “Eu sou Deus, eu enviei Jesus e agora todos devem se prostrar diante dele, reconhecendo-o como Rei dos reis.” Aqueles que não se ajoelhassem seriam obrigados por Deus e voilà, estaria provado e comprovado sem sombra de dúvidas. De quebra todos estariam “convertidos” ou, no mínimo, coagidos. Facinho, facinho.

Entretanto, Deus não quer provar nada a ninguém. Afinal Ele não tem problemas de baixa auto-estima ou necessidade de aceitação. Deus simplesmente abriu o caminho para que todo aquele que desejar de livre e espontânea vontade conhecê-lo, trilhar e ser recebido como filho. Da parte de quem inicia no caminho, basta crer que em Jesus existe a possibilidade de relacionar-se intimamente com o próprio Deus, antes tão distante ou até inexistente. Da parte de Deus, está consumado.

Para isso é necessário um ingrediente essencial, a . Pois é; fé! Sem ela é impossível agradar a Deus, afinal no momento que eu conseguir provar a sua existência não preciso mais crer, pois a fé é a certeza de coisas que não se vêem. Logo, desisti de provar a existência de Deus, se Ele mesmo não se preocupa com isso, não serei eu que irei me preocupar. Continuo crendo sem ver, tendo esperança no invisível, aguardando o momento de me encontrar com Ele. Será que estou louco? Se estiver vou morrer de overdose dessa doideira.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Ídolos que falam!

É interessante observar como a comunidade evangélica, de forma ferrenha se opõe aos católicos pelo fato da "adoração a ídolos". A grosso modo um ídolo católico é uma estátua de algum santo da antiguidade que de alguma forma se destacou pela sua fé. Os irmãos crêem que esses santos de antigamente podem de alguma forma ajudá-los e interceder por eles junto ao Pai. O problema é que na palavra somos esclarecidos sobre quem tem esse papel de intercessor: "Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo." I Jo.2:1


A maioria desses homens e mulheres reverenciados tiveram uma vida notável em seu tempo. Amaram a Deus, serviram ao próximo, viveram um vida digna de serem exemplos para nós. Entretanto não poderão interceder diante do Pai, pois estão aguardando a ressureição, quando nos juntaremos a eles para o banquete com Jesus. Essa oposição dos evangélicos é compreensível, afinal muitos se autodenominam protestantes, ou seja, protestam contra os dogmas católicos e ao acharem na bíblia exortações tão claras contra a idolatria tem em mãos uma forte arma. Ao pensar sobre a aversão da adoração aos santos católicos lembro de Jesus quando diz aos fariseus: "Condutores cegos! que coais um mosquito e engolis um camelo". Não sou nem protestante, nem a favor da adoração aos ídolos. Creio que um e somente um é digno de louvor e adoração: Jesus. Mas qual a diferença entre a adoração de santos mortos e a adoração de santos vivos?

Grandes nomes na fé, homens notáveis, gênios do empresariado evangélico com templos que atraem milhares de pessoas são idolatrados diariamente. Milhares de fiéis aguardam o fim dos cultos para pedir que esses santos vivos intercedam por eles diante do Pai, ou mesmo atrás da tela de TV aguardando a oração e a benção esperada. Uma oração para cura, um problema financeiro, uma questão insolúvel que apenas aquele ídolo pode resolver. Ao fim da oração o tributo é pago: "pastor se não fosse o senhor não sei o que seria de mim; pastor Deus está presente em sua vida; pastor recebi uma benção através de sua oração; pastor como o seu ministério me abençoa; pastor irei ofertar para a sua vida". O ídolo vivo, assim como o morto é reverenciado pelo poder alheio que opera ou operou em sua vida e recebe seus tributos. De onde vem todas as bênçãos? Acaso todos os santos não são vasos para manifestá-las ao próximo? Então o corpo de Cristo fica aleijado onde apenas o ídolo vivo manifesta o poder, enquanto os "leigos" recebem a graça e pagam os tributos.

Triste constatar como pessoas que começam bem são corrompidas pela honra que deveria ser direcionada ao Senhor. Iniciam o ministério proclamando, cuidando de vidas, servindo ao próximo, mas o espírito de ídolo logo toma conta de seus corações e iniciam a labuta para levantar o seu império. Estamos em uma época da fama fácil, alavancada pela internet: blog, youtube, orkut, fotologs; bastam 5 minutos para um marketing de rede que faz 10 pessoas parecem 1.000, e o dia-a-dia aparentar grandes feitos a Deus. Todos os relatos, lógico, centrados no projeto de ídolo que necessita de apoio para conseguir seguidores, mantenedores e idolatria. Tudo em nome da fé, do amor ao próximo, da obra Deus, que as vezes inicia-se no serviço cristão, mas esforça-se para enquadrar-se nos padrões clericais onde o ministro é adorado e o leigo serve com seu tempo e dinheiro; e só.

Olhando para Jesus podemos encontrar um modelo para escaparmos dessa armadilha:

- "Disse-lhe então Jesus: Olha, não o digas a alguém, mas vai, mostra-te ao sacerdote, e apresenta a oferta que Moisés determinou, para lhes servir de testemunho." Mt.8:4
- "E disse-lhe: Olha, não digas nada a ninguém; porém vai, mostra-te ao sacerdote, e oferece pela tua purificação o que Moisés determinou, para lhes servir de testemunho." Mc.1:44
- "E mandou-o para sua casa, dizendo: Nem entres na aldeia, nem o digas a ninguém na aldeia." Mc.8:26
- "Jesus lhe disse: Por que me chamas bom? Ninguém há bom, senão um, que é Deus." Lc.18:19
- "E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus." Mt.19:17
- "...um espírito imundo o qual exclamou, dizendo: Ah! que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste destruir-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus. E repreendeu-o Jesus, dizendo: Cala-te, e sai dele."
Quantas oportunidades de ser idolatrado perdidas. Por isso continuo idolatrando Jesus, Ele e somente Ele é digno!

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Se fosse hoje: IICo.11:19-20

Mais um da série: Se fosse hoje!

Sabemos que a bíblia, mesmo sendo um conjunto de livros antigos, tem um conteúdo que permanece por gerações. Histórias contadas a milhares de anos, em uma cultura diferente da nossa podem mudar vidas, pois tratam de verdades universais e eternas. Mas, e se os escritores escrevessem hoje, levando em conta nossa realidade e cultura, como seriam essas histórias?


Aproximadamente 1954 anos atrás Paulo disse aos irmãos em Corinto:

"Porque, sendo vós sensatos, de boa mente tolerais os insensatos. Pois sois sofredores, se alguém vos põe em servidão, se alguém vos devora, se alguém vos apanha, se alguém se exalta, se alguém vos fere no rosto."

Se fosse hoje diria:

Não entendo; vocês que se dizem sábios, chamados para serem cabeça, toleram tranquilamente os que querem enganá-los. Não se importam em sofrer nas mãos daqueles os escravizam, que os usam em proveito próprio, que os prendem em suas doutrinas, que se exaltam se dizendo chamados para grandes obras, que dizem bobagens olhando em seus olhos.


segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Inferno, o CÉU de Satanás?

Já recebi alguns testemunhos sobre irmãos que supostamente conheceram o inferno e voltaram para contar sua saga. Assim como Dante, são guiados não por Virgílio, mas na sua grande maioria pelo próprio Jesus e em alguns casos por algum capeta recepcionista, que mostra as instalações infernais.

Muitos relatos retratam a doutrina de determinado grupo em outra perspectiva, a da punição aos rebeldes à doutrina (repare: rebeldes à doutrina, não à Jesus). Já li relatos nos quais mulheres de cabelos curtos são atormentadas pelas suas mechas de cabelos cortados, homens castigados por bermudas em fogo, pois não cumpriram seus deveres religiosos corretamente trajados. Acho infinitamente mais interessante ver as punições afligidas aos homens no poema matematicamente composto de Dante do que nos testemunhos transcritos pelos irmãos. Ok, eles não são escritores e não demoraram 14 anos escrevendo, a comparação é injusta.

Usar o medo do inferno para obrigar pessoas a seguirem certos “usos e costumes” é pernicioso, mas ainda pior mostrar um dito inferno como o céu dos demônios. Sim; inferno, o local onde os demônios se esbaldam cumprindo seu maior prazer: atormentar o ser humano! Tudo que satanás sempre sonhou, o seu SPA, sua redenção, atormentar as “criaturas” de Deus que não aceitaram Jesus. Não é assim que são chamados aqueles que não se encaixam no padrão cristão tradicional: criaturas? Essas merecem o castigo e Satanás ajuda Deus Pai nessa tarefa infame.

Essa idéia começa nos desenhos animados, passa pelo filmes e é assinada embaixo por quem deveria trazer luz à verdade: a igreja, que nesse caso mostra-se mais interessada em manter o seu domínio sobre as pessoas do que amá-las e levá-las a verdade. Mas o que é a verdade? Nesse tema, bem mais confiável do que desenhos, filmes, livros e testemunhos, temos a Bíblia que mostra Satanás e sua corja estreando o lago de fogo, que é a segunda morte. Eles sofrerão antes de qualquer um!

“E a besta foi presa, e com ela o falso profeta, que diante dela fizera os sinais, com que enganou os que receberam o sinal da besta, e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com enxofre” Ap.19:20

“E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.” Ap. 20:10

“E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte.” Ap.20:14

“E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.” Ap.20:15

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Onde estãos seus olhos?


Não sou rico, não recebi chuvas de prosperidade, às vezes adoeço, já fui traído e enganado por irmãos em Cristo, passo dificuldades emocionais e financeiras, tenho dúvidas, continuo pecador, já vi os bastidores das denominações, vi também os bastidores dos que não tem denominação, já vi, fiz e fui alvo de barbaridades em nome da fé, já chorei pelas misérias da igreja.

Entretanto quando me lembro de quem me está comigo e que um dia estarei com Ele, tudo que é passageiro perde o sentido. Toda realização que não se espelha na eternidade é medíocre, mesmo que movimente milhões de pessoas, rios de dinheiro e tenha aparência de feitos espirituais. Você anseia ser revestido do eterno, ou as coisas temporais te completam?

"Sabemos que, se for destruída a temporária habitação terrena em que vivemos, temos da parte de Deus um edifício, uma casa eterna nos céus, não construída por mãos humanas. Enquanto isso, gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação celestial, porque, estando vestidos, não seremos encontrados nus. Pois, enquanto estamos nesta casa, gememos e nos angustiamos, porque não queremos ser despidos, mas revestidos da nossa habitação celestial, para que aquilo que é mortal seja absorvido pela vida. Foi Deus que nos preparou para esse propósito, dando-nos o Espírito como garantia do que está por vir.


Portanto, temos sempre confiança e sabemos que, enquanto estamos no corpo, estamos longe do Senhor. Porque vivemos por fé, e não pelo que vemos. Temos, pois, confiança e preferimos estar ausentes do corpo e habitar com o Senhor. Por isso, temos o propósito de lhe agradar, quer estejamos no corpo, quer o deixemos." IICo.5:1-9

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Se fosse hoje: Mt.7:21-23

Sabemos que a bíblia, mesmo sendo um conjunto de livros antigos, tem um conteúdo que permanece por gerações. Histórias contadas a milhares de anos, em uma cultura diferente da nossa podem mudar vidas, pois tratam de verdades universais e eternas. Mas, e se os escritores escrevessem hoje, levando em conta nossa realidade e cultura, como seriam essas histórias?


Para responder essa pergunta lanço a série: Se fosse hoje. Vamos começar com uma frase de nosso amado mestre:

Aproximadamente 1974 anos atrás Jesus disse:

“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.”

O que Jesus diria hoje:

Nem todo o que vai ao culto entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não abrimos células em teu nome? e em teu nome não compramos programas na TV? e em teu nome não abrimos uma igreja em cada esquina? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

O escândalo dos dízimos

Estamos acostumados a ver reportagens sobre escândalos na arrecadação de dízimos e ofertas dentro das igrejas evangélicas. Algumas mostram pastores inescrupulosos se divertindo com a grana farta e fácil e outras, pessoas se dizendo enganadas. Tem matérias para todos os gostos e estômagos. Meu intuito nesse texto não é abordar a legalidade dos dízimos nos dias atuais ou o caráter dos que se aproveitam dos fiéis, mas sim levantar uma lebre que sempre fica escondida na moita: não existe corrupção sem corruptores.

O povo brasileiro tem mania de falar mal dos seus governantes e da corrupção que praticam. Entretanto, conheço poucos que se estivessem na mesma posição não iriam se corromper. Sempre que falo sobre isso a resposta, com poucas variações, é a mesma: é impossível ser político sem ser corrupto hoje em dia. Discordo! Corrupção é uma questão de caráter não de oportunidade. Matematicamente falando, os governantes são uma amostra do povo. Exemplificando: se 10% dos governantes são honesto, por conclusão, assim também é o povo.

Para comprovar isso não é preciso ir longe. Basta ver o percentual de sonegadores de impostos (aqueles que enganam o leão, não emitem NF, dão um jeitinho no fisco), dos que pagam propinas aos guardas, dos que se aproveitam de posições de autoridade, dos que arrumam falsos atestados médicos, existe uma lista interminável. As mesmas pessoas que ficam irritadas com a corrupção da polícia pagam uma propininha ao guarda de trânsito. Pura hipocrisia! Não é a toa que no Brasil tem o famoso ditado: Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão. Na verdade ladrão que rouba ladrão tem que dividir cela na prisão. Até rima! Mas somos o país dos espertos, aceita-se a corrupção desde traga benefício pessoais. Isso explica bem nossos políticos.

Na mesma onda caminha a igreja. Crucificamos o pastor que usa de diversos macetes para arrancar dinheiro do povo, mas esquecemos de quem tenta comprar a benção. Os últimos acreditam piamente que pagando aquela quantia terão o direito de colocar Deus contra a parede para receber chuvas de prosperidade. Garanto que se tivessem ficado ricos não iriam reclamar de nada. Para esses podemos citar a frase de Pedro para Simão, que tentou comprar algo de Deus: “O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois cuidaste que o dom de Deus se alcança por dinheiro.”
“E Simão, vendo que pela imposição das mãos dos apóstolos era dado o Espírito Santo, lhes ofereceu dinheiro, dizendo: Dai-me também a mim esse poder, para que aquele sobre quem eu puser as mãos receba o Espírito Santo. Mas disse-lhe Pedro: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois cuidaste que o dom de Deus se alcança por dinheiro. Tu não tens parte nem sorte nesta palavra, porque o teu coração não é reto diante de Deus. Arrepende-te, pois, dessa tua iniqüidade, e ora a Deus, para que porventura te seja perdoado o pensamento do teu coração; pois vejo que estás em fel de amargura, e em laço de iniqüidade.” At.8:18-23

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Responsabilidade social


Quando li o texto me amarrei. Cada frase tocou as cordas de minha revolta como um violão e me fez lembrar de toda a minha indignação com aqueles que se dizem servidores públicos e servem seus próprios umbigos a mando do deus mamom. Se já não bastasse trazer à mente a figura dos políticos corruptos e de várias situações que já presenciei pessoalmente, ainda exemplifica outra atitude que para mim é deplorável: pessoas comprando sua paz social com 10, 15, 20 reais. Acreditam piamente que ao doar essa quantia estão quites com suas obrigações com o seu próximo e ainda se sentem participantes de alguma grande transformação social.

Concordo com cada linha sobre a irresponsabilidade do governo, que para cumprir seus interesses eleitorais, que com certeza é perpetuar o domínio da classe dominante e a escravidão do povo não se envergonha em manter um Brasil ignorante, desde que o dinheiro continue nas mãos dos “de sempre” e de seus descendentes. É revoltante perceber que estamos sendo usados em prol do enriquecimento daqueles que nos dominam. Soma ainda saber da esperteza da Rede Globo, que usa da dita filantropia em prol de vantagens econômicas, trazendo às nossas casas uma cambada de atores fazendo o show filantrópico, usando da culpa daqueles que sabem que são aleijados sociais.

Lendo o texto além da revolta despertada, também se acendeu uma luzinha amarela em minha mente. Cuidado! Lembrei de uma situação narrada há muitos anos atrás, que conta a história de Adão e Eva. Ambos, cheios de vontade de receber o benefício de um tal fruto, comem mesmo sabendo da ordem clara de Deus. Quando Deus, sabendo da gula voluntária pergunta a Adão o que houve, ele imediatamente dispara: “Senhor, a mulher que tu me deste”. Ele é rápido em passar a sua responsabilidade a outro, sem nenhum escrúpulo do outro ser o próprio Deus, pois assumir seria reconhecer que havia necessidade de arrependimento genuíno. Quando Deus também pergunta a Eva sobre o ocorrido não foi diferente. Ela rapidinho tenta abster-se da culpa jogando-a para a serpente! A serpente devia ser muda, ou como um ser mais sábio que o homem, assumiu a sua parte e colheu os seus frutos.

Após pensar um pouco sobre o assunto o sinal amarelo tornou-se vermelho, pois novamente vi a mesma situação de sempre. O jogo de responsabilidades. Jogo que não começou nos políticos, mas sim na mãe, que irresponsavelmente colocou seus filhos no mundo, esperando a benevolência daqueles que querem aplacar sua consciência. Não move uma palha para dar aos filhos uma oportunidade, mas usa-os como moeda para conseguir as migalhas mesquinhas dos mesquinhos de plantão. Passa depois a esses mesquinhos, que nunca olharam nos olhos uma criança com fome na vida, pois quando passam perto de uma viram os rostos enojados. Mas na Rede Globo não, lá tem um bando de atores e atrizes lindos, cantores famosos com as músicas da moda. A doação soa como se fosse para aquela pessoa tão conhecida e amada. Não tem aquela imagem horrenda de um menino marginalizado, doidinho para te roubar, pois não aguenta mais não só a fome, mas o desejo de andar em um carrão, de ter o tênis de marca, de sair da favela. Nesse círculo temos ainda as instituições de caridade que gastam mais dinheiro para se manterem, divulgarem seus trabalhos, do que para agir em sua tarefa fim. Não finaliza na Rede Globo que aproveita tudo isso para melhorar sua imagem e ainda ter um desconto no leão, mas nos esclarecidos que usam toda essa sujeira para absterem-se de sua responsabilidade social, repassando-a a outros e dormindo tranquilos.

Todos gostam de tratar os desajustados sociais como uma escória sem rosto, sem nome. É mais fácil suportar a miséria quando ela não tem uma identidade; é apenas um número nas estatísticas. Para alguns, essas crianças valem menos que seus cãezinhos, que têm nome, pedigree, lar, comida e afeto. Talvez, apenas talvez, se essas madames que criam seus cachorrinhos cheios de dengos acompanhassem a história de um desses meninos, soubessem o nome, como ele é criado, as torturas físicas e emocionais que eles passam, muitas vezes dentro de seus lares, por aqueles que deveriam cuidar e proteger, elas ficariam tentadas, mesmo que por pena, a esquecer essa história de Criança Esperança, ou da pseudo-responsabilidade do governo e se envolver não com suas finanças, mas com misérias do seu tempo. Mas o que fazer com o medo? Medo de ser passado para trás, de ser roubado, de ser criticado; melhor ignorar e buscar a desculpa que o se o governo não faz, não posso fazer nada, ou contribuir com os miseráveis atrás dos rostos de atores Globais; muito mais agradável do que ter contato moleques ramelentos.

Temos sim responsabilidade como seres humanos de cruzar a vida das pessoas e fazermos diferença. Como disse o Júnior, não terceirize sua responsabilidade para o governo, o Didi, ou qualquer outra instituição. Seja você aquele que olha nos olhos, chama pelo nome e é lembrado porque se importou. Você acha que um moleque na rua, no fim do dia se lembra de todos os que lhe deram esmola? Mas experimente parar, perguntar o nome, se estuda, como está a saúde da mãe, se tem irmãos. Arrisque-se a participar daquele momento como um ser humano completo, não como um banco onde ele efetua um saque social. Traga o menino a humanidade contigo, afinal ambos são pessoas com carências, lutas e aflições. Acima de tudo abençoe com sua atenção e se possível supra alguma necessidade. Garanto que ao chegar em casa ele contará a mãe e aos irmãos a história de um cara legal que encontrou na rua. Haverá uma marcar de esperança e humanidade em seu coração.

Para aqueles que não querem se envolver lembrem-se que essa dívida será cobrada de você ou de seus descendentes. Quando desumanizamos uma pessoa nos tornando o supridor financeiro de miseráveis sem face, não podemos reclamar que essas máquinas de receber dinheiro venham cobrar cada vez mais, afinal ela cresce, assim como as suas necessidades. Ao se deparar com um revólver em sua cara, pense em como o presidente não fez nada, em como os deputados não fizeram nada, e se por acaso ele puxar o gatilho; arrependa-se de nunca ter feito nada.

"Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes. Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos? Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim.” Mt.25:42-45

“É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.” Artigo 4 do estatuto da criança e do adolescente.