segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Igreja emergente

Uma amiga que congrega conosco pediu minha opinião sobre igrejas emergentes e 10 motivos para se reunir em uma delas para um trabalho de faculdade. O texto deveria ser curto e confesso que apesar de nos reunirmos em uma igreja nos lares e ser considerados por muitos como uma comunidade emergente, nunca tinha pensado nesse assunto. Descobri que nunca me considerei parte de uma igreja emergente; sempre penso em ser parte da igreja, só e ponto. Sem sobrenomes, rótulos, títulos, expectativas, mas simplesmente viver o evangelho. De toda forma escrevi o seguinte:

"Dar minha opinião sobre a igreja emergente é tão complexo como tentar definir o que é uma igreja emergente. Dentro desse contexto vejo claramente comunidades que tendo em vista alcançar pessoas da geração pós-moderna mudam apenas a forma de se reunirem, agregando em seus cultos elementos atraentes às novas gerações como músicas, grafites, sofás, etc... criando um ambiente informal. Quando a mudança ocorre apenas na maquiagem, ou seja, uma mudança estética, minha opinião é que o resultado é superficial e não agrega ganhos reais ao cristianismo. As pessoas se apegam ao visual e criam novas castas sacerdotais que muitas vezes são mais fracas no conhecimento da Palavra e na graça de Deus do que seus antecessores chamados de tradicionais.

Quando o contexto emergente sai da superficialidade e busca os valores do Reino de Deus, independente do visual, tendo liberdade de aceitar a diversidade de nossa geração sem abrir mão da verdade do evangelho e da prática da Palavra, então minha opinião é que essa igreja está emergindo para ser modelo e iniciar um novo avivamento onde viveremos mais próximos do que viveu Jesus e nossos irmãos no primeiro século. Isso sim é vida de Deus capaz de transformar toda uma geração e emergir para restaurar vidas.

Meus 10 motivos para participar de uma igreja emergente:
1º) Construir odres novos para o novo vinho derramado pelo Senhor
2º) Alcançar pessoas excluídas pelas comunidades tradicionais
3º) Deixar um legado para as próximas gerações
4º) Viver o evangelho com simplicidade
5º) Responder ao chamado de Jesus para fazer discípulos
6º) Criar uma cultura de respeito a diversidade
7º) Formar líderes prontos para os novos desafios
8º) Servir aos excluídos sem proselitismo
9º) Edificar a geração de meus filhos
10º) Responder ao chamado do Espírito"

PS.: Depois de pensar um pouco mais no assunto e tentando esclarecer melhor um dos meus temores: o meu medo é que na busca de fugir da hipocrisia as igrejas ditas emergentes esqueçam que devemos andar como Jesus andou. A hipocrisia finge uma santidade inexistente, permitindo o pecado desde que ele não apareça ou não manche a reputação da instituição. Triste! Mas, tenho visto congregações novas, na busca de fugir dessa hipocrisia, não tratar com amor os pecadores, permitindo que eles continuem nas garras do pecado, negando a graça e a eficácia do evangelho em dar nova vida e capacitar os discípulos a não serem escravos do pecado, mas sim escravos do Senhor.

Com isso muitas comunidades emergentes mostram força e vitalidade no evangelismo, na comunhão por meio de festas e eventos contextualizados, mas não conseguem promover uma mudança de vida naqueles que se agregam e como odeiam a hipocrisia, e isso é bom, tendem a fazer vista grossa ou mesmo relativizar o pecado. Isso é falta de amor e visão da pessoa de Deus [1]. Não existe evangelho sem renúncia, sem cruz, sem perder a vida [2] e sem resistir ao pecado [3] e tanto a hipocrisia como a relativização causam danos irreparáveis. Se me perguntarem qual eu prefiro, hipocrisia ou relativismo, a resposta é nenhum deles, prefiro crer no evangelho como ele é.[4]


[1] "E bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados; e nele não há pecado. Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu." IJo.3:5-6

[2] "E, chamando {a si} a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se {a si} mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me. Porque qualquer que quiser salvar a sua vida {ou alma} perdê-la-á, mas qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará." Mc.8:34-35

[3] "Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia. Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar." ICo.10:12-13

[4] "Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos; Sabendo que, tendo sido Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte não mais tem domínio sobre ele. Pois, quanto a ter morrido, de uma vez morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus. Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor.
Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça." Rm.6:8-14

3 comentários:

  1. Opa..., nada mais justo que por o comentário aqui também:

    Também tenho muita dificuldade com a nomeação das coisas que vivemos antes mesmo de vivermos elas. Como no contexto de missões..., hoje tem gente estudando qual onda missionária estamos, antes mesmo de vivê-la. E isso porque alguém um dia estudou os movimentos de missões ao longo da história e dividiu em 3 movimentos aos quais ele chamou de ondas missionárias. Hoje, estaríamos vivendo a 4ª onda.
    O que os de hoje esquecem é que os que viveram as 3 primeiras não as definiram assim, nem sequer as definiram, simplesmente viveram obedientes à voz de Deus.
    Temo que se fecharmos uma definição de algo que ainda estamos pra viver ou vivendo na atualidade, iremos acabar pautando nosso viver na definição e não no ouvir a voz de Deus. Acho que é mais ou menos isso quando falamos também de igreja emergente.
    Que eu viva obediente à voz de Deus e na liberdade do evangelho da Graça e Verdade de Deus..., que daqui há 100 anos estudem o que vivi e definam como quiserem!!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Primeiro quero parabenizá-lo pelo belo blog. segundo, desejo convidar o nobre colega a compartilhar conosco, visitando e fazendo parte de nossa iniciante página. grato, na paz de Cristo.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Reginaldo,

    É bom compartilhar o que recebemos de graça! Deixe o link de suá página aqui.

    Abraço

    ResponderExcluir

Gostou? Comente!
Não gostou? Comente também!