Igreja nos lares?

Existe um movimento crescente de pessoas que deixam as congregações tradicionais para reunirem em suas casas; em grupos organizados ou não. Muitos defendem que, assim como a igreja do primeiro século se reunia em casas, o local correto da reunião da igreja é, obrigatoriamente, a casa dos irmãos. Afinal, o local onde se reune define a Igreja? Leia mais...

Igreja, o Corpo de Cristo

A estrutura das igrejas locais relatadas no Novo Testamento se assemelha muito mais a uma família do que uma organização religiosa. As reuniões eram...

Jesus e a teologia da prosperidade

Somos filhos do Rei, logo devemos ser prósperos? Quem não é está em pecado? O que diria Jesus sobre a teologia da prosperidade?

Jesus na célula

Foi um encontro inusitado. Jesus estava passeando pelas ruas de Brasília, passou pela rodoviária do Plano, aquela multidão, ninguém o reconheceu. Viu um jovem a passos largos, bíblia embaixo do braço, se aproximou:...

Deus e o diabo

Não existe, nunca existiu e nem existirá uma luta épica entre Deus e o diabo. Satanáz sempre soube...

segunda-feira, 5 de julho de 2010

A pedra que Deus não levanta


Visitando o blog de um amigo me deparei com o antigo paradoxo da pedra. Acredito que quase todos já ouviram falar nele, mas para quem não conhece: se Deus é onipotente, se Ele pode tudo, pode também construir uma pedra que não consiga carregar. Sem a pretensão de trazer a explicação final para esse tão curioso problema, postei o seguinte comentário:

Esse argumento, já antigo, tenta demonstrar que uma das características que tributamos a Deus não é possível. Logo, sendo impossível essa característica, qualquer informação a respeito de dele merece descrédito.

A problemática pode ser descrita em dois termos: se deus é uma invenção humana, ele é tão humano quanto nós e foi mal projetado. No entanto, se Ele não é humano, e criou todas as coisas, tentamos explicá-lo com características humanas; não conseguiremos.

Esse problema se estenderá não apenas as características atribuídas a Deus, mas também as suas ações, ou a falta delas. “Se Ele é Deus é onipotente, porque permite a fome, miséria, morte de inocentes, catástrofes, injustiças, crimes? Logo, torna-se sem utilidade um Deus onipotente que não usa seu poder em nosso favor, nem mesmo consegue criar uma pedra que não possa levantar.

Se Deus existe, nossas expectativas em relação a Ele são tão pessoais e egoístas que se Ele compartilha os mesmos sentimentos humanos deve se entediar. Se de fato, Ele, o criador de tudo, deixou sua forma divina (ou falta de forma visível), tornou-se humano, para relacionar-se conosco e falar acerca de sua vontade sem intermediários: profetas, sacerdotes, homens santos; e em sua onisciência nos vê preocupado com pedras deve pensar: onde foi que eu errei? Porque esse povo tornou-se tão fútil, preocupados com bobagens, sem a mínima vontade de conhecer quem os criou.

Se Ele é apenas lenda, tanto faz, pois uma nunca conseguiremos criar algo tão perfeito quanto um deus que cria todas as coisas. Sempre teremos bugs na criação, pois nos deparamos com um problema cíclico, criar alguém que tenha mais capacidade criativa do que aquele que o criou. Impossível!

Agora, com relação ao paradoxo inicial, lanço um argumento tão lógico, quanto o próprio paradoxo: Deus pode criar uma pedra que não possa levantar, mas mesmo assim Ele tem capacidade de levantá-la se desejar. Louco não?

Para os leitores, sugiro uma visita ao blog do Adriano, Inquilinos do Além: http://inquilinosdoalem.blogspot.com/. Ótimos textos.