Igreja nos lares?

Existe um movimento crescente de pessoas que deixam as congregações tradicionais para reunirem em suas casas; em grupos organizados ou não. Muitos defendem que, assim como a igreja do primeiro século se reunia em casas, o local correto da reunião da igreja é, obrigatoriamente, a casa dos irmãos. Afinal, o local onde se reune define a Igreja? Leia mais...

Igreja, o Corpo de Cristo

A estrutura das igrejas locais relatadas no Novo Testamento se assemelha muito mais a uma família do que uma organização religiosa. As reuniões eram...

Jesus e a teologia da prosperidade

Somos filhos do Rei, logo devemos ser prósperos? Quem não é está em pecado? O que diria Jesus sobre a teologia da prosperidade?

Jesus na célula

Foi um encontro inusitado. Jesus estava passeando pelas ruas de Brasília, passou pela rodoviária do Plano, aquela multidão, ninguém o reconheceu. Viu um jovem a passos largos, bíblia embaixo do braço, se aproximou:...

Deus e o diabo

Não existe, nunca existiu e nem existirá uma luta épica entre Deus e o diabo. Satanáz sempre soube...

domingo, 26 de junho de 2011

E as minhas Boas-Novas?

Percebi hoje que um dos piores efeitos colaterais do distanciamento que os cristãos têm tomado dos ensinos de Cristo não é fora de mim, é dentro. Ele tem enfraquecimento às boas-novas para minha vida pessoal. Percebi isso após iniciar uma leitura do evangelho de Matheus, em busca da visão de Cristo de Shusaku Endo, descrita no livro Alma Sobrevivente. Esse Jesus descrito por Shusaku eu já vi meio embaçado, precisava clareá-lo e verificar o quanto é verdadeiro para mim.

Ao iniciar minha leitura estava com sede de encontrar o Jesus humano, amoroso, misericordioso, compreensivo com os humildes, o homem que me inspira a viver de modo digno, a buscar algo além do conforto, da disciplina moral, do ajuste social, da aceitação pessoal e ministerial... Enfim, buscava inspiração do Espírito capaz de levar-me além de tudo que é passageiro e cessará com minha morte.

A leitura começou bem com a genealogia de Jesus pelo lado de José. É bom ver Matheus apresentar a ascendência de Jesus pelo lado do pai e não de Maria. Mostrar o parentesco de Raabe e Betseba, mulheres que não se encaixam no perfil de perfeição da época. Segui com a meditação sobre a generosidade de Jesus, permitindo-se nascer em pobreza, dificuldade, perseguição, quando na verdade ele é o próprio Deus, criador. Sua humildade ao ser reconhecido por João Batista, não negando quem era, mas afirmando que ele mesmo está embaixo de uma autoridade maior. Inspirador.

Foi quando comecei a ler sobre o ensino de Jesus que senti os efeitos colaterais que falei anteriormente. A cada exortação de Cristo eu me lembrava de líderes que se encaixam perfeitamente na descrição que Jesus fazia dos hipócritas. Homens ricos de espírito, que não choram pelo próximo, ávidos por uma briga, injustos, sem misericórdia, com coração impuro, perseguidores dos fracos. Isso só nas “bem-aventuranças”, que tratam conceitos do interior humano. Quando passei para a outra parte que a coisa ficou feia! Reconciliar com o irmão? Não lembro se já vi um líder fazer isso. Cobiçar a mulher do próximo? Isso eu já vi algumas vezes, bem como dar “carta de divórcio”. Em compensação dar a mais do que o pedido; poucas vezes. E quando Jesus fala sobre vários exemplos de exercer “justiça” publicamente para receber a admiração dos homens? Aiaiaiaiai! Veio a mente desde pastores conceituados, orando e “curando” lindamente em público, como pastores de pequenas congregações e grupos underground fazendo marketing de seus “grandes feitos” pelo Face, Orkut e Blogs. Só o fato de fazer marketing já é lamentável e se encaixa direitinho na repreensão de Jesus, o pior é que alguns relatos são mentiras deslavadas.

De alguma forma me senti privado das minhas boas-novas. Aquelas que batem forte dentro do peito, fazem lembrar Cristo, rever as próprias limitações e ter esperança que a vida é muito mais que coisas terrenas e passageiras. A última coisa que gostaria é ter essas pessoas como companheiras quando busco minhas boas-novas. Sem que eu percebesse isso se tornou comum em minha vida. Quem sabe devido à leitura de blogs apologéticos, que se levantam em defesa do “verdadeiro cristianismo”. Ou talvez por experiências com pessoas, que se diziam comprometidas comigo, mas quando chegou o momento de mostrar o compromisso fugiram, fazendo justamente tudo quanto condenavam abertamente. Não sei e no momento isso não importa. O que preciso é expulsar esses intrusos; indesejáveis que a meu convite entraram em minha vida íntima e roubam meu pão.

Estou fechando essas portas, iniciando o penoso trabalho de colocar os intrusos para fora e recuperar minhas boas-novas. Vou guardar para eles o mesmo espaço que Jesus guardava: fora de sua vida íntima e no centro de suas críticas abertas à hipocrisia. Vai ser uma luta ferrenha e silenciosa. Espero que nessa luta Deus continue me incomodando, me dando a fome necessária para que eu não me contente com bolotas de porcos, que muitos tem comido e chamado de alimento espiritual. Afinal, é pela fome de comida verdadeira servida pelo Pai, que não posso me contentar nem com porcarias, nem com privação.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Sexo e cristianismo

Quebro esse período de afastamento do blog para escrever sobre esse tema que surgiu no grupo Igrejas Alternativas do Facebook. Como troll moderado que sou, acho que a brincadeira, se bem direcionada gera amizades e descobre afinidades. Logo uso o grupo para me divertir e manter contato com amigos, tem sido ótimo! No entanto para escrever algo sério o espaço do Face foi pouco...

Sexo e afetividade
Acredito em um Deus generoso que nos presenteia com prazeres que dão cor a nossa existência. O sexo é um deles. Entretanto, parece que o uso desses prazeres de forma desenfreada e sem direção traz dano ao corpo e alma do ser humano. A minha impressão é que cada prazer está associado e uma necessidade física, mental ou emocional. O prazer sexual está ligado a necessidade de afetividade, assim como o paladar a necessidade de alimentar ao corpo. Já ouvi relatos de adeptos do sexo casual e segundo eles o maior prazer não é o coito, mas a sensação de ser querido, desejado e dominar o sexo oposto.

Observando pessoas envolvidas em um meio onde o sexo casual é aceito e às vezes incentivado, a impressão é que existe uma necessidade de aumentar a dose de extravagância para atingir o mesmo nível de satisfação. Incluo também pessoas adeptas a pornografia, que a cada dia buscam imagens mais radicais. Alguns perdem emprego, família e às vezes, a dignidade.

Portanto, me parece que o sexo que faz bem é o proporciona não apenas o prazer sensual (dos sentidos), mas também o prazer afetivo. Todo o ser humano, independente da fé, necessita ser amado e ter um relacionamento especial com o sexo oposto. Se você não tem interesse em meditar sobre Deus, seu caráter; sobre a vida de Jesus, pode para por aqui e tenha uma vida feliz!

Sexo e cristianismo
Ao falar sobre sexo e cristianismo a abordagem muda de foco. A ótica não é mais centrada somente no ser humano e em como usar o prazer sexual para uma vida sadia, mas em entender o que Deus tenta comunicar com o prazer e a privação do mesmo. Uma das marcas populares do cristianismo são suas leis, que impedem o pleno aproveitamento dos prazeres disponíveis. Por quê? Acredito que uma parte dos cristãos obedece sem meditar seriamente no motivo, outra parte desobedece e diz que obedece e outra parte tenta mudar as leis para que se adéquem ao seu estilo de vida.

Não tenho a intenção de exaurir o assunto ou trazer a plena verdade, mas desejo compartilhar uma meditação. Ao estudarmos os ensinos de Jesus expressos nos evangelhos, poucos deles nos trazem satisfação natural. Quem está cheio de vontade de amar o inimigo? Quem se alegra em dar a outra face ao ser ferido ou humilhado? Quem se satisfaz em dar esmola a todo aquele que pede? E ainda: quem está ansioso para assumir uma relação com outra pessoa até que a morte os separe, e ainda ter nessa pessoa sua única fonte de prazer sexual?

Qual é a intenção de Deus, que nos presenteia com prazeres sublimes e coloca regras para usufruí-los? Acredito que esse é o centro da questão. Se olharmos apenas pela ótica humana e natural, não faz sentido. Líderes tentam mostrar as vantagens da santidade e os castigos que recebem os que não a seguem. Balela! Uma pessoa que nunca se preocupou com o evangelho, teve uma vida focada em sua satisfação pessoal, manteve vários parceiros sexuais, pode morrer velha, rica e feliz, enquanto um crente fiel pode fazer uma transfusão de sangue, pegar AIDS e morrer com a doença que dizem que é castigo de Deus para os chamados imorais. Qual o benefício nisso?

Outra explicação comum é a vida eterna. Oh, delícia, receber após a morte um galardão, que ninguém sabe de fato o que significa e morar no paraíso. Por isso sim, vale a pena negar os prazeres, pois estou de olho na recompensa futura e quando lá chegar irei tripudiar dos infiéis que se esbaldaram em seus prazeres. É isso? Se essa for a única motivação estamos falando de um negócio: não uso disso, para depois usar daquilo. Também não explica o fato de Deus, em sua infinita sabedoria, graça e amor, ter feito os prazeres para se tornar nossa pedra de tropeço.

O ponto central que vejo nos ensinos de Cristo é que Ele ensina aquilo que viveu. Ele amou os inimigos, deu a outra face, deu esmolas, atendeu a todos os pedintes, obedeceu ao Pai em tudo, foi humilde podendo ser arrogante, foi servo podendo ser rei, foi pobre podendo ser rico, deixou toda sua fortuna (um valor inestimável) e veio viver conosco; como homem. Chega a beirar o absurdo! Vamos pensar: haveria prazer em Cristo se descesse da cruz quando fustigado a fazê-lo? Decerto que sim. Haveria satisfação em dominar os hipócritas, vencer os exércitos e tomar o governo a força? Inevitavelmente! Ou não? Uma coisa é certa: se haveria prazer e Ele não fez, podendo fazer, não se parece comigo, pois eu faria. Se não haveria prazer em fazer, se parece menos ainda comigo, pois eu acho que seria um prazer imensurável dar uma lição nos hipócritas e em Roma.

Não seriam então os ensinos de Cristo focados em nos fazer como Ele e o Pai e não na negação dos prazeres para recebermos recompensas? Uma mudança sutil? Não creio. E se para sermos transformados necessitamos possuir uma minúscula amostra do poder do Pai, para que negando seu uso possamos ser transformados a semelhança daquele que nos criou, que pode tudo e não o faz? O foco então é SER como Ele, não TER algo Dele. Loucura?

Pode homens e mulheres comuns desejarem ser como Deus? Adquirir seu caráter, se parecer com Ele? Qual o preço disso? Tenho para mim esse é o centro do evangelho, isso me motiva a continuar admirando Deus, Jesus, o Espírito. Enxergar seu caráter, sua vida, sua natureza, nas palavras escritas, santificadas ou não, nos livros, nas pregações. Porções de Deus ministradas por pessoas imperfeitas como você e eu. Que em um momento, no monte são instrumentos vivos do Espírito e na sequência pedra de tropeço para o mestre e instrumento de satanáz.

Ao pensar em Deus, seu caráter e natureza, não tenho nenhuma dúvida de que Ele é homem de apenas uma mulher, fiel e capaz de se entregar por ela. Para mim, tenho provas suficientes de seu amor, aceitação, perdão e fidelidade. Ele aguarda sua noiva e irá desposá-la, enquanto isso permanece santo, independente da postura de sua amada. Poderia simplesmente destruir tudo, separar-se da criação e arrumar outra. Ou mesmo fazer outra, agora perfeita, sem repetir os erros da primeira, e adulterar com ela.

Portanto, com todas as minhas forças, quero ser como Ele: fiel, perdoador, homem de uma única mulher, que zela e cuida sendo capaz de morrer pela amada sem titubear. Encontrar no sexo mais do que um prazer sensual ou uma ligação afetiva, mas a celebração de uma aliança, de uma união que só a morte pode separar. Acredito que todos que confessam o nome de Cristo devem levar essa marca. Vejo que as palavras de Jesus sobre o assunto, retratadas por Matheus, Marcos e Lucas, bem como a inspiração de Paulo ao escrever sobre o tema refletem esse caráter, essa inspiração divina.

Para finalizar, no dia 18 de junho deste ano celebro 17 anos de casamento, e agradeço ao meu bom Deus que permitiu que eu casasse com esse desejo, de ser como Ele. Por isso hoje posso celebrar com minha esposa e filhos, como família.