Pular para o conteúdo principal

Ídolos que falam!

É interessante observar como a comunidade evangélica, de forma ferrenha se opõe aos católicos pelo fato da "adoração a ídolos". A grosso modo um ídolo católico é uma estátua de algum santo da antiguidade que de alguma forma se destacou pela sua fé. Os irmãos crêem que esses santos de antigamente podem de alguma forma ajudá-los e interceder por eles junto ao Pai. O problema é que na palavra somos esclarecidos sobre quem tem esse papel de intercessor: "Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo." I Jo.2:1


A maioria desses homens e mulheres reverenciados tiveram uma vida notável em seu tempo. Amaram a Deus, serviram ao próximo, viveram um vida digna de serem exemplos para nós. Entretanto não poderão interceder diante do Pai, pois estão aguardando a ressureição, quando nos juntaremos a eles para o banquete com Jesus. Essa oposição dos evangélicos é compreensível, afinal muitos se autodenominam protestantes, ou seja, protestam contra os dogmas católicos e ao acharem na bíblia exortações tão claras contra a idolatria tem em mãos uma forte arma. Ao pensar sobre a aversão da adoração aos santos católicos lembro de Jesus quando diz aos fariseus: "Condutores cegos! que coais um mosquito e engolis um camelo". Não sou nem protestante, nem a favor da adoração aos ídolos. Creio que um e somente um é digno de louvor e adoração: Jesus. Mas qual a diferença entre a adoração de santos mortos e a adoração de santos vivos?

Grandes nomes na fé, homens notáveis, gênios do empresariado evangélico com templos que atraem milhares de pessoas são idolatrados diariamente. Milhares de fiéis aguardam o fim dos cultos para pedir que esses santos vivos intercedam por eles diante do Pai, ou mesmo atrás da tela de TV aguardando a oração e a benção esperada. Uma oração para cura, um problema financeiro, uma questão insolúvel que apenas aquele ídolo pode resolver. Ao fim da oração o tributo é pago: "pastor se não fosse o senhor não sei o que seria de mim; pastor Deus está presente em sua vida; pastor recebi uma benção através de sua oração; pastor como o seu ministério me abençoa; pastor irei ofertar para a sua vida". O ídolo vivo, assim como o morto é reverenciado pelo poder alheio que opera ou operou em sua vida e recebe seus tributos. De onde vem todas as bênçãos? Acaso todos os santos não são vasos para manifestá-las ao próximo? Então o corpo de Cristo fica aleijado onde apenas o ídolo vivo manifesta o poder, enquanto os "leigos" recebem a graça e pagam os tributos.

Triste constatar como pessoas que começam bem são corrompidas pela honra que deveria ser direcionada ao Senhor. Iniciam o ministério proclamando, cuidando de vidas, servindo ao próximo, mas o espírito de ídolo logo toma conta de seus corações e iniciam a labuta para levantar o seu império. Estamos em uma época da fama fácil, alavancada pela internet: blog, youtube, orkut, fotologs; bastam 5 minutos para um marketing de rede que faz 10 pessoas parecem 1.000, e o dia-a-dia aparentar grandes feitos a Deus. Todos os relatos, lógico, centrados no projeto de ídolo que necessita de apoio para conseguir seguidores, mantenedores e idolatria. Tudo em nome da fé, do amor ao próximo, da obra Deus, que as vezes inicia-se no serviço cristão, mas esforça-se para enquadrar-se nos padrões clericais onde o ministro é adorado e o leigo serve com seu tempo e dinheiro; e só.

Olhando para Jesus podemos encontrar um modelo para escaparmos dessa armadilha:

- "Disse-lhe então Jesus: Olha, não o digas a alguém, mas vai, mostra-te ao sacerdote, e apresenta a oferta que Moisés determinou, para lhes servir de testemunho." Mt.8:4
- "E disse-lhe: Olha, não digas nada a ninguém; porém vai, mostra-te ao sacerdote, e oferece pela tua purificação o que Moisés determinou, para lhes servir de testemunho." Mc.1:44
- "E mandou-o para sua casa, dizendo: Nem entres na aldeia, nem o digas a ninguém na aldeia." Mc.8:26
- "Jesus lhe disse: Por que me chamas bom? Ninguém há bom, senão um, que é Deus." Lc.18:19
- "E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus." Mt.19:17
- "...um espírito imundo o qual exclamou, dizendo: Ah! que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste destruir-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus. E repreendeu-o Jesus, dizendo: Cala-te, e sai dele."
Quantas oportunidades de ser idolatrado perdidas. Por isso continuo idolatrando Jesus, Ele e somente Ele é digno!

Comentários

  1. Parabens pelo seu blog. Vou degustá-lo bem devagar e com bastante vontade de aprender!
    Imagina se você fosse blogueiro experiente (risos) su blog está 1000 (também, analista de sistemas..fera no computador!)
    Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  2. Olá,Paz
    Gostei muito desse espaço dedicado ao Senhor ,esse texto está perfeito para nossos dias,que reflitam nessas palavras os que ainda infelizmente não discernem as muitas faces da idolatria,enfim que possamos ter apenas um e único Senhor e Mediador em nossa vida,Cristo nosso Salvador.
    Continue na paz e na verdade,que o Senhor abençoe ricamente sua vida em Cristo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou? Comente!
Não gostou? Comente também!

As mais lidas dos últimos 30 dias

Pedras ou tijolos?

Quando se constrói uma casa hoje em dia, qual o material básico para levantar as paredes? Certamente são os tijolos. Tijolos são feitos em larga escala, obedecendo uma padronização de tamanho que facilita a construção e a torna mais rápida e eficiente. Imagine se você fosse incumbido de construir uma casa de pedras. Inicialmente deveria procurá-las, pois não são fabricadas. Depois de juntá-las seria necessário estudar onde encaixar cada uma, pois são de tamanhos e formatos diferentes e quando melhor encaixadas menos massa entre elas. Seria penoso carregar pedras grandes, trabalhoso usar as pequenas para tapar frestas; é uma obra realmente demorada!!! Muito mais rápido e prático construir com tijolos, não?

Pedro fala um pouco sobre a edificação da igreja comparando com a construção de uma casa. Fica claro a matéria-prima que o Pai usa em sua construção: pedras vivas. Os grandes empreiteiros da fé, na pressa de construir “suas igrejas” aprenderam que se constrói mais rápido com tijolos, …

Jesus na célula

Foi um encontro inusitado. Jesus estava passeando pelas ruas de Brasília, passou pela rodoviária do Plano, aquela multidão, ninguém o reconheceu. Viu um jovem a passos largos, bíblia embaixo do braço, se aproximou: - Olá rapaz! Jesus aborda o jovem que apressa ainda mais o passo.
- Olá moço. Desculpe, estou com pressa. O jovem demonstrou desgosto pela interrupção do estranho.
- Tudo bem, eu que me desculpo pela interrupção. Jesus conhecia os seus pensamentos. Você está indo a algum lugar especial?
- Estou indo para a igreja!
- Indo à igreja?
- É! Frequento a Igreja Pentecostal dos Milagres de Jesus... Pô, eu estou com pressa, o culto já começou, dá para dar licença. O jovem quase começa a correr, tentando se esquivar daquela situação desagradável com o estranho. Alguém que aborda o outro na rua, não deve ter boas intenções.
- Igreja Pente... (imagine a cara de Jesus nesse momento). Posso ir com você?
- Ãããã... Vamos, não tem problema. Mas ai se alguém perguntar você fala que frequent…

Não julgueis!

“Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós.” Mateus 7:1-2

Não é incomum recebermos esse texto como resposta a alguma crítica que fazemos com respeito ao meio evangélico e, principalmente, aos seus líderes. Bom, já vou começar chutando o pau da barraca: se foi necessário citar esse texto como defesa a alguma coisa dita, ou feita por alguém, é porque o que foi dito ou feito foi uma bobagem sem tamanho! Ninguém reclama quando se “julga” alguma coisa positivamente. Dizer: “Nossa, que palavra abençoada do pastor super ungido” nunca é rebatida com o não julgueis. Entretanto, dizer: “Caracas, quanta bobagem o pastor falou hoje hein?” já é rebatido com Matheus 7 ou pior, 1 Samuel 24:6, para não tocar no ungido do Senhor. Sobre esse último, que é um absurdo, falarei em uma outra postagem.

Então, se foi necessário citar Matheus 7 para cessar o “julgamento”, já é um bom sinal que…