Pular para o conteúdo principal

Igreja e homossexualidade

Longe de mim tentar trazer uma solução para essa questão tão polêmica e delicada. Temos que lembrar que esse tema afeta diretamente a vida de pessoas e muitas delas podem ter um desejo profundo e verdadeiro de conhecer a Cristo. Não é possível tratar esse assunto de forma simplista, citando versículos bíblicos e fechando a questão de forma categórica, sem pensar em todos os desdobramentos sociais por detrás do assunto. Você pode perguntar: qual a ligação da sociedade com a posição da Igreja em relação a homossexualidade? Bom, muitas! O Brasil é uma nação em grande parte cristã. Seria a mesma coisa que questionar qual a importância da religião islâmica no papel da mulher no Oriente Médio. São escalas diferentes, mas a influência é comparável.

A sociedade e o governo devem ser laicos. O próprio Jesus disse que o Reino dele não era desse mundo. Logo, Jesus não quer um governo cristão, mas um governo que governe pelo povo, com justiça, independente de cor, raça ou credo. O Reino de Jesus já está estabelecido e se manifesta “dentro de nós”. Tentar aprovar leis que beneficiam partes da sociedade em detrimento de outras é totalmente contra o ensino de Jesus. Ele mesmo disse que o Pai faz nascer o sol sobre justos e injustos. Deus Pai, perfeito em santidade, o único que poderia fazer acepção de pessoas não o faz, quem dirá, nós. Portanto devemos lutar por uma sociedade justa, assim como justo é o nosso Pai celestial. Justa para mim, cristão e discípulo de Jesus, para o macumbeiro que recebe entidades, para o homossexual, para o budista, não importa; para todos.

O que dizer então sobre um casal, que constrói uma vida juntos, adquirem bens, dividem o que tem e o marido some deixando a mulher desamparada? Ou então, após a morte do marido a mãe dele toma os bens de sua nora, agora viúva, pois afinal, ele era seu filho. Inconcebível essa idéia, todos concordamos. Mas o que dizer se forem dois homossexuais, que juntos construíram uma vida? Qual o motivo de um deles não ter o direito sobre o que foi construído junto? Mesmo sem pensar que certamente a família já o abandonou pelo fato de ser homossexual e aparece apenas após sua morte, de olho nos bens. Devemos permitir a injustiça em nome de Deus? Será que Deus aprovaria algo assim?

E o que dizer de crianças que adotadas por casais heterossexuais são violentadas, abusadas, feitas de empregadas, alvo das frustrações dos pais adotivos? E das milhares de crianças que estão em orfanatos aguardando um lar? Qual o motivo para proibir 2 pessoas homossexuais que moram juntas adotar uma criança? Será o medo dessas crianças se tornarem homossexuais? Mas a maior parte dos homossexuais não são filhos de casais heterossexuais? A maior parte da violência infantil não é praticada por homens heterossexuais, na expressão mais brutal de sua masculinidade? Não defendo uma entrega indiscriminada de crianças a lares adotivos sem nenhum critério, mas sim, critérios de avaliação não baseados na sexualidade, mas sim capacidade de educação em um ambiente saudável fisicamente e afetivamente.

A igreja, como representante de Cristo na terra tem como dever implementar o Reino onde dever ser implementado: no coração dos homens. Pessoa a pessoa, fazer discípulos para Jesus que serão convencidos pelo Espírito sobre o pecado a justiça e o juízo. E esses, que vivem o Reino dentro de si, como parte da sociedade devem lutar pela justiça, pelo amor, pela verdade enquanto continuam com o trabalho de proclamar o Reino e servir seu Senhor. Enquanto não vivermos como discípulos de Jesus o mundo terá dificuldade de ver a Cristo. Parece que nossa vida com Jesus é tão chata que vivemos com medo que os próprios cristãos deixem Cristo em troca de outra coisa. Temos tanto medo que queremos aprovar leis que embasem nossa vida cristã, nossa fé. Queremos forçar a sociedade a ter o mesmo padrão que temos, mesmo ela não estando nem um pouco interessada naquele que nos ensinou esse padrão. Não parece loucura? Enquanto queremos forçar toda a sociedade a viver o que só conseguimos com a ajuda do Espírito Santo, esquecemos que Jesus disse que seríamos conhecidos pelo amor, não pela nossa lei. Quando Jesus veio a terra ele não mudou o regime do governo romano, mas mudou a vida de 12 homens...

Se a Igreja não deve moldar a sociedade às leis que regem seus fiéis, não podemos deixar de avaliar o outro lado: a sociedade querer mudar conceitos de um governo que não lhe pertence, o governo de Cristo sobre a Igreja. Caso isso aconteça teremos uma inquisição às avessas, onde os cristãos serão proibidos de viver sua fé pelo fato da sociedade adotar padrões majoritários diferentes do apregoado por Jesus. Um exemplo prático: para um cristão, o sexo antes do casamento é pecado, para a sociedade é perfeitamente aceitável e alguns defendem que é saudável. Poderia o governo proibir a Igreja de pregar sobre esse tema alegando discriminação àqueles que têm essa prática?

Quando a igreja age de forma homofóbica tentando prejudicar aqueles pelos quais o próprio Cristo morreu é preocupante. Jesus deixa claro que veio aos necessitados, não importando qual a condição do necessitado. Entretanto é igualmente preocupante quando a sociedade tenta alterar a fé para que se encaixe melhor aos seus interesses.

O futuro é duvidoso, mas se aqueles que confessam Jesus como Senhor se esforçarem para viver de modo digno a vocação para o qual foram chamados, haverá esperança.

Comentários

  1. Gostei do texto, bastante sensato, avaliando muitos pontos de vista. Posta lá na comunidade!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o texto, expos a questão por completo.
    A única coisa que não concordo é a adoção de filhos por homosexuais (casal), diferente da adoção de filhos por HOMOSEXUAL (indivíduo), na qual eu não sou em tudo contra.

    ResponderExcluir
  3. Suas postagens prestam uma importante contribuição para os cristãos diante do cenário atual. Mas a questão da adoção de crianças foi apresentada de forma simplista. Há entremeios que precisam ser levados em consideração.

    ResponderExcluir
  4. Concordo com o Marcos! Achei sensato suas palavras. Sinceramente Isaque nao compreendi sua colocaçao sobre diferença de adoçao por um casal de homossexuais e um homossexual?! Existe diferença? Parabéns Marcos!

    delfeel@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Fidel,
    Agradeço sua visita e comentário.

    Grande abraço
    Marcos
    Marcos@comunidadec3.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou? Comente!
Não gostou? Comente também!

As mais lidas dos últimos 30 dias

Competição "santa"

O tempo passa rápido! Estou perto dos 40 anos e lembro-me como se fosse ontem quando tinha 20. Com anos passados é normal acumularmos algumas bagagens: conhecimento, experiências, manias, coisa boas e ruins. Na virada deste ano, 2009 para 2010 completarei a "maioridade cristã". Estarei comemorando 18 anos de adoção, 18 anos que o Pai lá do céu me adotou em Cristo. O tempo decorrido não quer dizer muita coisa, afinal crescer no conhecimento de Deus não é natural, demanda relacionamento, renúncia, crucificação do ego e seus desejos. Muitos passam anos no cristianismo, mas continuam sendo governados pelo seu ego e suas vontades, como um bebê, que pensa que o mundo gira em torno de suas necessidades.

Nesses 18 anos de adoção muita coisa em minha vida mudou, principalmente a forma como enxergo o próximo, seja ele da mesma família celestial ou não. Já estive em uma congregação no início de seus trabalhos e a vi crescer assustadoramente, já estive também em grandes congregações em p…

Jesus na célula

Foi um encontro inusitado. Jesus estava passeando pelas ruas de Brasília, passou pela rodoviária do Plano, aquela multidão, ninguém o reconheceu. Viu um jovem a passos largos, bíblia embaixo do braço, se aproximou: - Olá rapaz! Jesus aborda o jovem que apressa ainda mais o passo.
- Olá moço. Desculpe, estou com pressa. O jovem demonstrou desgosto pela interrupção do estranho.
- Tudo bem, eu que me desculpo pela interrupção. Jesus conhecia os seus pensamentos. Você está indo a algum lugar especial?
- Estou indo para a igreja!
- Indo à igreja?
- É! Frequento a Igreja Pentecostal dos Milagres de Jesus... Pô, eu estou com pressa, o culto já começou, dá para dar licença. O jovem quase começa a correr, tentando se esquivar daquela situação desagradável com o estranho. Alguém que aborda o outro na rua, não deve ter boas intenções.
- Igreja Pente... (imagine a cara de Jesus nesse momento). Posso ir com você?
- Ãããã... Vamos, não tem problema. Mas ai se alguém perguntar você fala que frequent…

Jesus não era evangélico

Fico a conjecturar, se houvesse um retrocesso na história e Jesus voltasse novamente, não entre nuvens do céu na parousia em poder e glória, mas, novamente como o singelo profeta da Galiléia, e visitasse as zilhões de igrejas espalhadas pelo planeta que se intitulam cristãs, se Ele seria simpatizante de algumas das denominações instituídas do nosso tempo. Com certeza os “conheço as tuas obras” e os “tenho, porém, contra ti” sobre esses agrupamentos ditos evangélicos, atingiriam dimensões colossais.
Ora, Jesus, uma vez entre nós outra vez, certamente usaria da mesma sabedoria que usou quando andava pela Terra, nas ruas da Palestina, não aderindo a nenhum dos postulados dessas denominações, das propostas das grandes corporações da fé e dos super conglomerados da religião, das igrejas-empresa que superestimam números, estatísticas e resultados de crescimento numérico, não se encaixando em nenhuma bitola teológica sistemática ou dogmática, não se deixando caber em nenhuma fôrma doutrinária…