Pular para o conteúdo principal

Mr. Catra e seus amores

Acabei de ver um debate deprimente. Um tal de Catra, que eu nunca tinha ouvido falar, soltou varias bobagens em rede nacional e ninguém foi capaz de deter tamanho absurdo. Foi uma sessão de desrespeito a nossa sociedade, ao gênero humano, aos homens e mulheres. A idéia central do Catra é que todo homem, por natureza, não contém seus instintos sexuais e reprodutivos. Ou seja, homem que é homem tem que ter mais de uma mulher, senão é homossexual (ou viado, como ele esbravejou diante das câmeras). A mulher, no entanto, é sagrada, deve ser apenas de um homem.

A idéia começa com o desrespeito a nossa sociedade, que cada dia mais condena a relação poligâmica masculina, pelo simples fato de ser um desrespeito ao gênero feminino, um pensamento retrógrado, ultrapassado e inculto. Engraçado que apesar de alegar publicamente que todos os homens traem e ele mesmo ser infiel sexualmente, o tal do Catra ainda pedia para ser respeitado. Não respeita suas companheiras, não respeitou as mulheres presentes e difamou todo o gênero masculino, comparando-o com animais.

Pior ainda é quando a comparação não tem lógica alguma. Segundo o nosso filósofo poligâmico, os machos das espécies têm o instinto de copular com várias fêmeas, e as fêmeas com apenas um macho. Assim ele atesta que entre os seres-humanos acontece da mesma forma. Só para começar, tanto os machos como as fêmeas no reino animal são poligâmicos, salvo raras exceções. Foi citado o touro e as vacas (meu Deus que absurdo nos comparar com bovinos!!!). Além da comparação ser completamente imbecil, temos que lembrar que a vaca, em sua vida certamente é fecundada por mais de um touro, a não ser que não tenha oportunidade devido a interferência humana. Só isso já joga por terra todo esse argumento absurdo! Se pensarmos assim, no mínimo as mulheres deveriam seguir seus instintos e terem vários homens. Mas isso, como todo fundamentalista machista, ele não aceita. Nem para suas companheiras (que chama de amores), nem para suas filhas. No entanto os filhos devem são ensinados a seguir a “macheza” do pai. Essa dominação é antiga.

Não podemos esquecer que comparar o ser humano com demais animais é no mínimo burrice. Se você crê em Deus, como aceitar que o ser criado à imagem de Deus é comparável com os demais animais? Se não crê, como negar os milhões de anos de evolução, que nos diferencia das demais espécies? Sabemos que temos muito mais do que instintos, podemos decidir, negar nossos instintos, renunciar, pensar e avaliar, com essas capacidades respeitar o próximo. A diferença do pensar e decidir que nos faz sermos fiéis, amar e viver com um único parceiro, respeitando-o de fato. Se fossemos viver apenas por instintos mataríamos quem nos ameaçasse, defenderíamos nossos interesses com violência (aliás, algumas vezes o Catra e sua companheira presente deram sinais que não estavam conseguindo conter seus instintos animais e perdiam as estribeiras, partindo ora para a violência gestual e verbal, ora para uma apelação emocional sem sentido). É lógico que as companheiras de Catra não o traem não pelo fato de serem mulheres, mas porque decidiram não trair. Elas têm seus interesses. Assim como o próprio Catra poderia decidir não trair e ser fiel a uma delas. A decisão e fidelidade não é característica inerente apenas ao gênero feminino.

Não posso deixar de citar a postura vergonhosa de um cantor sertanejo que participou do debate. Um bajulador de marca maior. Eu, que estava vendo a palhaçada na TV, tive vergonha da subserviência desse sertanejo, querendo de todo jeito agradar ao amigo poligâmico, mesmo que isso implicasse em fazer de conta que concordava com tudo que era dito. O cara estava com a esposa no palco, que lástima. Acho que essa mulher deve estar até hoje obrigando esse calça frouxa a dormir no sofá. Se não está, deveria.

Para terminar quero deixar claro que não tenho nada a ver com a vida do Catra e de suas companheiras. Se ele decidiu viver em poligamia e se seus “amores” aceitam esse comportamento o problema é único e exclusivo deles. É a vida que escolheram. Agora é impossível se calar diante de um sofisma, defendido com argumentos fantasiosos, sem nenhum embasamento lógico ou científico e totalmente contrário a tudo que a sociedade tem se esforçado em mudar e se redimir. Liberdade para viver essa vida, com certeza o Catra e suas companheiras têm (se é que isso não é crime no Brasil). Entretanto defender essa idéia com esses argumentos, me ofender junto com milheres de pais de família monogâmicos, dizendo que por sermos homem somos obrigados a sermos infiéis, como falei no início é um desrespeito a nossa sociedade, ao gênero humano, aos homens e mulheres.

Será que estou louco?

Comentários

Postar um comentário

Gostou? Comente!
Não gostou? Comente também!

As mais lidas dos últimos 30 dias

MARCA DE AMOR

Eu saí da reunião mais cedo. Estava previsto até o meio-dia e ainda eram onze horas. Beleza, eu tinha uma hora para flautear. Sai no estacionamento de terra. Que porra esse pessoal não asfalta essa merda? Vai sujar meus sapatos. Antes de chegar ao carro percebi o flanelinha se aproximando para pedir dinheiro. Parar no barro e ainda pagar para estacionar.
-    E aí, patrão? - disse o flanelinha com um sorriso no rosto.

Não respondi. Entrei no carro e bati a porta. Ele se aproximou e deu umas batidinhas no vidro ao meu lado. Liguei a ignição, abri o vidro e olhei para ele. Tudo que eu queria era ir embora e garantir que na próxima vez que parasse meu carro ali ele não seria riscado. Sem desembolsar nada, lógico.
-    Tem um trocado aí, patrão? - pediu ele.
-    Para que trocado? - perguntei esperando a resposta padrão: para o almoço.
-    Pra pinga - respondeu ele.

Fiquei olhando a cara do sujeito por alguns segundos antes de ser capaz de dizer alguma coisa. “Taí algo que não se ouve …

Amigos

Há alguns anos ouvi uma mensagem que eu poderia resumir como: a Igreja já está cheia de irmãos, o que ela precisa é estar cheia de amigos. Por mais estranho que pareça, essa mensagem era dedicada a um grupo cristão que se reunia nas casas e tinha como orgulho a união alcançada por meio de uma prática cristã simples, que não se importava com ritos e sim com pessoas. Não sei quantos naquele dia foram alcançados pela mensagem. Talvez a maioria nutrisse uma certeza interior que aquilo já estava resolvido no meio do grupo, tão unido.

A amizade pode nascer de várias formas. Quando criança, brincamos com nossos vizinhos e fazemos amigos facilmente. Alguns desses entram conosco na adolescência, mais tarde, interesses em comum nos levam a estabelecer novas amizades. É comum na juventude acreditarmos que os amigos irão nos acompanhar por toda a vida (bom que algumas vezes é verdade!). Há as amizades que iniciam na escola, no trabalho e, também, dentro de um contexto religioso. É natural que al…

Igreja, o corpo de Cristo

O CORPO DE CRISTO A estrutura das igrejas locais relatadas no Novo Testamento se assemelha muito mais a uma família do que uma organização religiosa. As reuniões eram mais voltadas a uma vida em comum do que cumprir metas, mesmo se pensarmos em metas “espirituais” como evangelismo, libertação e crescimento cristão. Os irmãos normalmente faziam parte de um lar específico e ali compartilhavam suas vidas e buscavam ao Pai como um corpo.

“Saudai a Priscila e a Áqüila, [...]. Saudai também a igreja que está em sua casa.” Rm.16:3;5

“E à nossa amada Afia, e a Arquipo, nosso camarada, e à igreja que está em tua casa” Fp.1:2

“Saúda-vos Gaio, meu hospedeiro, e de toda a igreja.” Rm.16:23

“As igrejas da Ásia vos saúdam. Saúdam-vos afetuosamente no Senhor Áqüila e Priscila, com a igreja que está em sua casa” ICo.16:19

“E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,” At. 2:46

“E era um o coração e a alma da multidão dos q…