Igreja nos lares?

Existe um movimento crescente de pessoas que deixam as congregações tradicionais para reunirem em suas casas; em grupos organizados ou não. Muitos defendem que, assim como a igreja do primeiro século se reunia em casas, o local correto da reunião da igreja é, obrigatoriamente, a casa dos irmãos. Afinal, o local onde se reune define a Igreja? Leia mais...

Igreja, o Corpo de Cristo

A estrutura das igrejas locais relatadas no Novo Testamento se assemelha muito mais a uma família do que uma organização religiosa. As reuniões eram...

Jesus e a teologia da prosperidade

Somos filhos do Rei, logo devemos ser prósperos? Quem não é está em pecado? O que diria Jesus sobre a teologia da prosperidade?

Jesus na célula

Foi um encontro inusitado. Jesus estava passeando pelas ruas de Brasília, passou pela rodoviária do Plano, aquela multidão, ninguém o reconheceu. Viu um jovem a passos largos, bíblia embaixo do braço, se aproximou:...

Deus e o diabo

Não existe, nunca existiu e nem existirá uma luta épica entre Deus e o diabo. Satanáz sempre soube...

domingo, 27 de janeiro de 2013

Deus é amor

A espiritualidade não se manifesta no retiro dos santos e na ruptura com os pecadores. A espiritualidade não se manifesta nas longas orações, nos dias de cultos, nos jejuns, nas vitórias contra os males, na seriedade do discipulado e no êxito em cumprir muitas ordenanças. Se assim fosse, Jesus, o próprio filho de Deus teria fracassado em sua vida espiritual. Ele nunca se retirou do meio do povo e preferia a companhia dos pecadores. Não era um homem de ritos religiosos, e seus ritos pessoais normalmente eram na madrugada, entre ele e o Pai somente. Não teve grande êxito contra o mal, contra a injustiça, morrendo vítima delas. Não foi exemplo no cumprimento das ordenanças religiosas de sua época e seus discípulos não eram as pessoas mais sábias e bem sucedidas de Jerusalém.

Tenho para mim que a espiritualidade se manifesta no amor não fingido. No amor sem interesse. No amor capaz de romper as barreiras religiosas, humanas, dogmáticas, ideológicas, sociais, raciais; no amor que nos faz iguais. Taí; a espiritualidade nos faz iguais! O homem espiritual não se sente menor por ser igual ao mais perverso pecador. O amor nos faz iguais. Jesus era um... igual... Dificilmente detectável entre seus amigos, entre o povo, era um entre muitos; mas socorria os pecadores, os amava, sentia-se parte. Não falo de assistência social, onde os que alçaram sucesso ajudam os pobres, mas no amor que faz “um” o assistente e o mendigo, o empresário e o bêbado, o líder religioso e o cafetão. O amor que faz com que todos saibam que são humanos, iguais, devedores uns dos outros e devedores de Deus.

Não acho que esse amor conserta o mundo. Se assim fosse ele teria sido consertado há dois mil anos atrás, quando se fez carne e habitou entre nós. O problema não está no amor, mas em que poucos o desejam de fato. A maioria chama de amor ser atendido em suas necessidades emocionais e “espirituais”; crêem que o amor é receber e não dar. Portanto, os que amam não mudarão o mundo, mas mudarão a si. Esse é o ápice da espiritualidade: alcançar algo para si por dar algo ao próximo. Talvez essa seja a única face de Deus que nos é disponibilizada. Certamente é a única forma de reconhecer aqueles que amam a Deus. Sem amor, não há Deus; mesmo que haja ritos religiosos, severidade nas doutrinas e vitória sobre os males; a face de Deus continua oculta. Sem esse amor o homem pode progredir pela fé, pode vencer pela fé, pode prosperar pela fé e viver pela fé. Mas tudo que fizer acabará nele. Somente o amor verdadeiro pode alcançar a Deus.

"Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor." João.