Pular para o conteúdo principal

Deus é amor

A espiritualidade não se manifesta no retiro dos santos e na ruptura com os pecadores. A espiritualidade não se manifesta nas longas orações, nos dias de cultos, nos jejuns, nas vitórias contra os males, na seriedade do discipulado e no êxito em cumprir muitas ordenanças. Se assim fosse, Jesus, o próprio filho de Deus teria fracassado em sua vida espiritual. Ele nunca se retirou do meio do povo e preferia a companhia dos pecadores. Não era um homem de ritos religiosos, e seus ritos pessoais normalmente eram na madrugada, entre ele e o Pai somente. Não teve grande êxito contra o mal, contra a injustiça, morrendo vítima delas. Não foi exemplo no cumprimento das ordenanças religiosas de sua época e seus discípulos não eram as pessoas mais sábias e bem sucedidas de Jerusalém.

Tenho para mim que a espiritualidade se manifesta no amor não fingido. No amor sem interesse. No amor capaz de romper as barreiras religiosas, humanas, dogmáticas, ideológicas, sociais, raciais; no amor que nos faz iguais. Taí; a espiritualidade nos faz iguais! O homem espiritual não se sente menor por ser igual ao mais perverso pecador. O amor nos faz iguais. Jesus era um... igual... Dificilmente detectável entre seus amigos, entre o povo, era um entre muitos; mas socorria os pecadores, os amava, sentia-se parte. Não falo de assistência social, onde os que alçaram sucesso ajudam os pobres, mas no amor que faz “um” o assistente e o mendigo, o empresário e o bêbado, o líder religioso e o cafetão. O amor que faz com que todos saibam que são humanos, iguais, devedores uns dos outros e devedores de Deus.

Não acho que esse amor conserta o mundo. Se assim fosse ele teria sido consertado há dois mil anos atrás, quando se fez carne e habitou entre nós. O problema não está no amor, mas em que poucos o desejam de fato. A maioria chama de amor ser atendido em suas necessidades emocionais e “espirituais”; crêem que o amor é receber e não dar. Portanto, os que amam não mudarão o mundo, mas mudarão a si. Esse é o ápice da espiritualidade: alcançar algo para si por dar algo ao próximo. Talvez essa seja a única face de Deus que nos é disponibilizada. Certamente é a única forma de reconhecer aqueles que amam a Deus. Sem amor, não há Deus; mesmo que haja ritos religiosos, severidade nas doutrinas e vitória sobre os males; a face de Deus continua oculta. Sem esse amor o homem pode progredir pela fé, pode vencer pela fé, pode prosperar pela fé e viver pela fé. Mas tudo que fizer acabará nele. Somente o amor verdadeiro pode alcançar a Deus.

"Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor." João.

Comentários

  1. Marcos

    Concordo com sua forma de compreender o Amor que Deus, em Jesus, nos apresenta de forma tão simples e clara, creio que

    nossa maior dificuldade è amar com esse Amor que acredito sinceramente a medida que vamos entendendo quem somos, nossas limitações e fraquezas, e confessando nossa dificuldade de verdadeiramente amar, pelo fato de que esse Amor sempre tem como alvo, o próximo, tudo fica mais fácil.

    Deus, como vc mesmo colocou aqui de forma bela, nunca se preocupou em questionar quem Ele iria amar, simplismente e maravilhosamente os que por Ele no passado foram amados, passaram a entender e a amar como Ele os amou



    Acredito também que o amor é sem interesse, acho que o único interesse do amor é AMAR





    Anna

    ResponderExcluir
  2. Olá Anna,

    Realmente na teoria é lindo, mas no dia-a-dia o amor que tentamos viver é muito emocional e pouco prático.

    Deus amou o mundo de tal maneira que enviou seu filho... foi um amor que apareceu em uma doação.

    Ainda estou bem longe de conseguir enxergar o próximo com esses olhos, mas quero sempre permanecer nesse caminho.

    Obrigado pela visita e comentário.

    Abraço,
    Marcos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou? Comente!
Não gostou? Comente também!

As mais lidas dos últimos 30 dias

Competição "santa"

O tempo passa rápido! Estou perto dos 40 anos e lembro-me como se fosse ontem quando tinha 20. Com anos passados é normal acumularmos algumas bagagens: conhecimento, experiências, manias, coisa boas e ruins. Na virada deste ano, 2009 para 2010 completarei a "maioridade cristã". Estarei comemorando 18 anos de adoção, 18 anos que o Pai lá do céu me adotou em Cristo. O tempo decorrido não quer dizer muita coisa, afinal crescer no conhecimento de Deus não é natural, demanda relacionamento, renúncia, crucificação do ego e seus desejos. Muitos passam anos no cristianismo, mas continuam sendo governados pelo seu ego e suas vontades, como um bebê, que pensa que o mundo gira em torno de suas necessidades.

Nesses 18 anos de adoção muita coisa em minha vida mudou, principalmente a forma como enxergo o próximo, seja ele da mesma família celestial ou não. Já estive em uma congregação no início de seus trabalhos e a vi crescer assustadoramente, já estive também em grandes congregações em p…

Pedras ou tijolos?

Quando se constrói uma casa hoje em dia, qual o material básico para levantar as paredes? Certamente são os tijolos. Tijolos são feitos em larga escala, obedecendo uma padronização de tamanho que facilita a construção e a torna mais rápida e eficiente. Imagine se você fosse incumbido de construir uma casa de pedras. Inicialmente deveria procurá-las, pois não são fabricadas. Depois de juntá-las seria necessário estudar onde encaixar cada uma, pois são de tamanhos e formatos diferentes e quando melhor encaixadas menos massa entre elas. Seria penoso carregar pedras grandes, trabalhoso usar as pequenas para tapar frestas; é uma obra realmente demorada!!! Muito mais rápido e prático construir com tijolos, não?

Pedro fala um pouco sobre a edificação da igreja comparando com a construção de uma casa. Fica claro a matéria-prima que o Pai usa em sua construção: pedras vivas. Os grandes empreiteiros da fé, na pressa de construir “suas igrejas” aprenderam que se constrói mais rápido com tijolos, …

Igreja nos lares?

Existe um movimento crescente chamado igreja nos lares que vem tomando espaço na mídia, além de preocupar líderes de igrejas tradicionais baseadas em templos religiosos. Esse movimento tem como essência uma tentativa de retorno à prática da igreja do primeiro século onde, segundo afirmam, as reuniões aconteciam nas casas.
É possível perceber um aumento significativo no número de cristãos que se sentem incomodados com o rumo que a igreja institucional tem tomado. Esse incômodo se manifesta de diversas maneiras, desde a desistência da fé até a busca de um grupo "mais verdadeiro", parecido com a igreja primitiva; com infinitas possibilidades entre esses dois extremos. Talvez ai comece um dos problemas da chamada igreja nos lares: a frustação e a falta de perdão. Vou falar sobre isso um pouco mais adiante. Por ora falemos da igreja primitiva e de como ela se reunia:
E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegri…