quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Competição "santa"

O tempo passa rápido! Estou perto dos 40 anos e lembro-me como se fosse ontem quando tinha 20. Com anos passados é normal acumularmos algumas bagagens: conhecimento, experiências, manias, coisa boas e ruins. Na virada deste ano, 2009 para 2010 completarei a "maioridade cristã". Estarei comemorando 18 anos de adoção, 18 anos que o Pai lá do céu me adotou em Cristo. O tempo decorrido não quer dizer muita coisa, afinal crescer no conhecimento de Deus não é natural, demanda relacionamento, renúncia, crucificação do ego e seus desejos. Muitos passam anos no cristianismo, mas continuam sendo governados pelo seu ego e suas vontades, como um bebê, que pensa que o mundo gira em torno de suas necessidades.

Nesses 18 anos de adoção muita coisa em minha vida mudou, principalmente a forma como enxergo o próximo, seja ele da mesma família celestial ou não. Já estive em uma congregação no início de seus trabalhos e a vi crescer assustadoramente, já estive também em grandes congregações em posição de liderança, já estive em minha casa congregando com alguns gatos pingados, já estive só com minha esposa achando-me um remanescente (quem me dera...), já estive em uma grande estrutura de igrejas nos lares, enfim já vi muita coisa nessa caminhada e o Pai a cada dia tem me constrangido a considerar-me como quem não tem nada, como quem já deu tudo a Ele e a sua Igreja.

Ultimamente tem acontecido algo que há muito não me acontecia: ouvir que estão falando de mim pelas costas. É uma fato interessante, pois como participei de uma grande congregação neo-pentecostal já passei por isso antes. Tanto falei de outros líderes e congregações, sempre achando que onde eu estava era melhor, como ouvia dizer que falavam da gente, se diziam melhores, com "a visão" correta. Agradeço ao Pai que me deu os últimos 11 anos para me desintoxicar desse pecado com a comunhão de irmãos que prezam viver o evangelho e não falar sobre o evangelho. Foi restaurador, encontrei o arrependimento e a mudança de atitude que precisava e hoje meu foco é viver o Reino, ao invés de proclamar grandes discursos, lindos e empolgantes sobre o Reino.

Hoje, me divirto ao ouvir histórias sobre minha pessoa; o juízo que fazem de mim, da minha família e da igreja que se reúne em minha casa. Muitos ignoram conceitos básicos de transparência que Jesus tanto prezava, caem em hipocrisia, fofoca, maledicência e para que? Para se dizerem melhores, mais corretos e mais santos, para conseguirem mais adeptos a seus "planos espirituais". Esquecem que nosso Senhor que irá nos julgar e é para Ele que eu e todos que confessam o Seu nome vivem ou pelo menos deveriam viver. Portanto, para mim é impossível competir com alguém da mesma família celestial. Julgar-me mais santo, mais esclarecido e com uma visão mais clara, seria pura arrogância. Sou um homem extremamente dependente do Pai, se Ele não fizer, nada acontecerá, conheço a minha dependência e insignificância. Se alguém se julga superior eu assino embaixo, mas lembro que você deve fazer o que Jesus ordenou, sirva! Não existe competição, não estou jogando com a minha fé e com a vida das pessoas que congregam comigo.

Em minha caminhada não há e nem haverá marketing, eventos para trazer irmãos de outras congregações, confissões arrogantes de uma nova visão de Reino ou tititi pelas costas para denegrir a imagem de ninguém. Aqueles que me conhecem sabem que aconselho quem me procura a ser fiel à sua liderança e sair de sua congregação apenas com uma palavra clara do dono da Igreja, Jesus. Não há crescimento no Reino quando alguém sai de uma congregação para outra, apenas quando alguém sai da independência para adoção. A dança da cadeira traz apenas crescimento aos ministérios pessoais, alimenta a arrogância dos líderes e a infantilidade dos massificados. A visão que tento seguir é tão velha quanto a Igreja e as suas bases estão escritas em um dos livros mais vendidos do mundo: a Bíblia. Nada novo, nada especial, nenhuma restauração, apenas a tentativa de ser como Jesus e proclamar as boas-novas da adoção de todos quanto crerem.

Portanto, a todos que gastam seu tempo comigo, não se preocupem. Primeiro porque não irei gastar o meu tempo julgando ou falando de ninguém, afinal, justo juiz só tem um. Depois porque nunca me renderei ao desejo de me achar superior; somos servos do mesmo Senhor e iremos sentar à mesa com Ele, ceiarmos juntos todos os lavados pelo sangue, os adotados pela graça do Pai. Que a cada dia nosso Pai fortaleça a vida de todos quanto de coração O seguem em retidão, com as motivações corretas. Quanto aos que usam da fé para impor seus ideais, massificar e granjear tesouros aqui na terra, repito o que o nosso irmão Paulo disse: "Verdade é que também alguns pregam a Cristo por inveja e porfia, mas outros de boa vontade; Uns, na verdade, anunciam a Cristo por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflição às minhas prisões. Mas outros, por amor, sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda. Porque sei que disto me resultará salvação, pela vossa oração e pelo socorro do Espírito de Jesus Cristo" Fp. 1:15-19

Se você não me conhece, não tenha o pensamento de que isso não é para você, permita que o Espírito Santo ministre em seu coração, quem sabe você se encontra lutando não o bom combate, mas o seu próprio combate? Já dizia Thiago: "Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre pelo seu bom trato as suas obras em mansidão de sabedoria. Mas, se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica. Porque onde há inveja e espírito faccioso aí há perturbação e toda a obra perversa." Tg.3:13-16. Para finalizar, quer você me conheça, quer não, se a carapuça serviu, use-a; ela foi feita pelo Pai sob medida!

12 comentários:

  1. Ta preula!
    Aí que vejo e me orgulho!
    Véi, você e Andreza tem me ensinado através da vida de vocês coisas cabulosas a respeito do Reino.
    Sobre viver uma vida de santidade, comunhão, amor e morte. Tô começando a caminhar para o Pai e viver essa vida de filha e adoção.
    Enfim. É isso.fim.

    ResponderExcluir
  2. Eitapreula. Levanto e aplaudo. muahahah, xinga marcos, xinga de volta. (666) "eu não deixava, ah não, ah não... eu nao deixava" hahaha. Falando sério agora, eu não vejo mais essas coisas como alto grande, estamos em uma vida (não maior em relação a Deus e tal, nao me julgo assim) que isso não serve mais, tais coisas como "falar mal" "julgar" e etc não funcionam mais. Vivamos o que é pra viver de acordo com o que o Pai ensina: "Amar a Ele acima de tudo e o próximo como a si mesmo." Não julgo viver nisso ainda, mas eu to aprendendo, afinal sou um cara comum, caio, machuco, levanto, como qualquer pessoa. *-*

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo post, muito sóbrio e sincero! Se todo mundo pensasse assim, o cristianismo nesse lado ocidental infernal do mundo seria maravilhoso. Não por você ser fodão e perfeito, mas por assumir sua fabilidade. Todo cristão devia ser assim.

    ResponderExcluir
  4. Pastor Marcos,graça e paz!
    2 coisas:
    *a Igreja com cara de Leão também me fez viajar
    *é inacreditável quo vc tenha quase 40 anos
    kkkkkk...parabéns pela juventude estampada, é a virtude de Cristo,né?
    Bem, agora sobre seu post, quero dizer que me senti muito tocada por algumas palavras suas, tudo tão simples e sincero...
    Também me interessei muito em saber o que é um Pastor de Igreja nos lares.
    Sabe, amado, as lutas tem sido intensas e as pessoas cada vez mais desapegadas, sem temor e investindo em inutilidades.
    Vejo que a palavra vai se cumprindo e não tenho expectativas à não ser a volta do nosso amado
    Messias.
    Hoje especialmente sofro uma tristeza em meu coração. É tão difícil pastorear, tão inúteis às vezes sentimos nossos esforços...mas, sei que também passo por um processo de transformação onde meu posicionamento precisa ser cada vez mais "desligado" de retornos, gratidão e até respeito.
    É tempo de uma geração amante de si mesma, egoísta, onde há pouco lugar para as coisas simples.
    Grande abraço e desculpe o desabafo.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Marcos, é de pessoas assim que se precisa no meio cristão. Se todas pensassem assim, não havaria tantas "competições santas".

    ResponderExcluir
  6. Agradeço a todos que leram e comentaram. A idéia é tentar despertar sobriedade naquilo que chamamos de obra, afinal a grande obra é que Jesus morreu por nós, para nos tornar filhos, vivendo na mesma família.

    Pastoragente, às vezes as fotos enganam.. hehehehe. Com respeito a sua pergunta cremos que Igreja não é o templo, mas as pessoas que se reúnem no templo ou em outro local. Então nós nos reúnimos nos lares, abrindo nossas casa e vidas aos irmãos. Por isso igreja noa lares.

    Pastorear é uma tarefa que requer amor, dedicação e desapego total... nós, como ministros devemos estar prontos à servir, sem esperar retorno. O maior "pagamento" e ver a intimidade das ovelhas crecendo com o Senhor e elas não nos darem glória alguma... ;)

    ResponderExcluir
  7. Prezado Marcos Siqueira

    Sou grato por sua passagem no "Ensaios & Prosas", e pela sua contribuição em forma de comentário.

    O seu texto aqui postado, realmente, tem muito a ver com o que postei recentemente.

    Já fui participante dessa competição, ou guerra santa, como queiram chamá-la (exército de egos X exércitos da ilusão).

    Hoje, aos sesssenta anos, fico só refletindo da arquibancada, sem aquela euforia de antes, vendo toda essa egolatria santa. Sinto que o brinquedo de criança que ficou mofado lá no porão, já não me serve mais.

    Apareça sempre lá no meu blog. Sua opinião é muito bem vinda.

    Abraço fraterno,

    Levi B. Santos

    ResponderExcluir
  8. Pois é Levi... a maturidade nos ajuda a ver Deus nas motivações de cada um e não em suas obras, não é?

    Obrigado pela visita e comentário. Irei sempre que possível em seu blog.

    Abração

    ResponderExcluir
  9. OLá...
    Que texto gostoso.
    Sincero.. Muito bonito.
    Uma história ao lado Pai Celestial muito copiável.

    Agradeço a visita no meu blog.
    Faça outras vezes.
    Eu te sigo agora, e estarei sempre por aqui.

    beijoS>

    ResponderExcluir
  10. Muito bom o post... que Deus continue te abençoando...abraço

    ResponderExcluir
  11. Jefferson Júnior
    Marcos, eu tenho que agradecer a DEUS, com certeza, ele teve responsabilidade em nós nos conhecermos. Cresci em família cristã, mas vendo tanta sacanagem e safadeza, mesmo sabendo que não cabe a eu fazer julgamentos, não agüentava mais a Igreja, “o Cristianismo”. Hoje no pouco tempo de convívio que temos, tenho mudado de forma surpreendente minhas perspectivas em torno de ser Cristão.
    Estou freqüentando uma Igreja formal, mas não estou conseguindo formalizar – me, por mais que eu tente não ver, vejo, que tudo acaba sempre na competição “santa”. Também quero viver esse reino que você vive, ao invés de ouvir proclamações sobre o mesmo ou aprender a proclamá–lo. Aos meus olhos de pecador, cheio de falhas, acredito que esse relacionamento seja bem mais sincero e agradável aos olhos de DEUS.

    ResponderExcluir
  12. Bora viver Júnior. Tudo quanto precisamos para andar com Jesus Ele já nos deu!

    Estamos juntos nessa luta! O que você precisar conte comigo.

    ResponderExcluir

Gostou? Comente!
Não gostou? Comente também!